Pesquisar

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

258 -Trás-os-Montes, o Bem Receber e as Boas Comidas - Amigos. I

Há cerca de dois anos, o já velho e muito conhecido Bando do Café Progresso recebeu um convite do membro Barreto Pires para visitar a sua Terra Dornelas, ou Couto de Dornelas e assistir ao acto do almoço durante as Festas em honra de S. Sebastião em 20 de Janeiro de 2015.
Dornelas é uma Freguesia situada a Noroeste de Portugal, no Concelho de Boticas envolvida pela Serra do Barroso.
O Couto de Dornelas, criado em 1127 teve a sua origem num nobre cavaleiro chamado Ay Ayres, que tendo raptado uma Dama da corte de D. Afonso Henriques, o nosso primeiro Rei, e com ela veio viver para estas terras. Como eram despovoadas fez cá a sua residência e capela.
Este nobre tinha privilégio real e por isso todos os que se acoutassem à sua capela, não poderiam ser presos nem punidos pela justiça do rei. Juntou-se muita gente a quem ele mandou que cultivassem todas as terras à volta da sua capela. Desta forma povoaram-se as sete aldeias da freguesia: Vila Grande, Vila Pequena, Antigo, Espertina, Gestosa, Lousas e Casal.
No dia 20 de Janeiro, Dornelas oferece o almoço aos milhares de pessoas que por ali passam para participar na Festa de São Sebastião.

O nosso querido amigo e ex-camarada Barreto Pires ofereceu-nos na sua linda "Casa Nova" uns aperitivos e entradas com muitas coisas boas.
Em seguida fomos assistir à cerimónia. Na imagem o Barreto Pires e o Presidente Teixeira.
Ao longo da Rua principal vão-se juntando as vizinhanças de outros lugares para receberem simbólicamente o almoço de carne cozida, pão e arroz.
Arroz e Carne são cozinhadas em 20 potes de ferro. 
Segundo a lenda a festa resulta de uma promessa feita pela população local que, em troca da protecção do santo contra a fome e a peste decidiu oferecer um almoço anualmente a todos os que passassem pela região.
 É rezada Missa...
 Assistindo à Benção das Panelas
...Depois a sua distribuição na companhia do Santo.
A Mesa, no dia da nosso visita, teria cerca de 2 km. 
Não vimos a distribuição pois o Barreto Pires convidou-nos a conhecer a sua Aldeia. 


Estava na hora do Barreto Pires nos Bem Receber...
E nada melhor do que junto à lareira da Casa Velha onde lhe fizeram companhia o
Alberto e o Presidente
  No fogo da lareira estrugiam Rojões na sua própria gordura.
Ei-los na mesa com a bela cor dourada própria dos produtos de primeira qualidade.
No tecto pendurados pedaços do melhor Porco, que já passaram pela cura do sal.
Agora é o fumo que lhe vai dar o resto do excelente paladar

Que dizer do "grandioso" cozido que nos foi apresentado ? Por todo o Portugal, o Cozido à Portuguesa é um prato que fazemos nas nossas casas e qualquer restaurante o tem na sua ementa.
Mas recordemos que estamos no Frio Noroeste Transmontano onde se produzem das melhores carnes do País e se cultivam os legumes mais saborosos. O segredo dos grandes pratos começam pela confecção dos melhores produtos.
A gentileza do Casal Barreto Pires foi ao ponto de nos oferecer um pão de seu fabrico, cortado para cada um dos membros do Bando.
O Barreto Pires em plena operação.
Eis as razões porque gosto de Trás-os-Montes e dos Transmontanos. Lhaneza no trato, casa aberta e bem receber com o melhor que têm. Carnes, Legumes, Vinhos, Azeite, Amendoa, Mel.
Obrigado Barreto Pires

8 comentários:

  1. Amigo Jorge, valeu, embora as tuas fotos me tenham deixado com fome... Fiquei encantado com a foto de uma senhora segurando uma brôa, pois me pareceu uma brôa legitima e não apenas um pão feito com fubá, como hoje se encontram nas padarias. Obrigado e o abraço fraterno do
    Luiz Grijó

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro amigo e camarada Luiz Grijó. Sem dúvida que o pão tem apenas farinha pura e foi confeccionado para ser distribuido pelo grupo. Cumpriu-se assim a tradição da oferta do almoço no dia de S. Sebastião em Dornelas.
      Um abraço meu amigo

      Eliminar
  2. Amigo Jorge, o seu Bando do Café Progresso organiza programas de se lhe tirar o chapéu, pena o grupo ser restrito a cavalheiros e eu morar longe, nos "Coutos de Cister", ai essas petisqueiras...

    ResponderEliminar
  3. Uma boa reportagem, com umas iguarias de se lhe tirar o chapéu...

    ResponderEliminar
  4. Reportagem de excelência, pois outra coisa não é de esperar.
    Parabéns Jorge.

    ResponderEliminar
  5. Boa reportagem, boa gente e boa comidinha. Excelente Jorge, um abraço

    ResponderEliminar
  6. Como sempre uma excelente reportagem onde podemos conhecer um pouco da cultura do povo da região de Trás-os-Montes. Parabéns! Um abraço!!!

    ResponderEliminar