Pesquisar

sexta-feira, 3 de abril de 2015

215 - Passeando pela baixa-alta

A Semana dita Santa traz à minha-nossa Cidade do Porto patoás dos mais diversos. Não quero que confundam as imagens linguísticas do patuá macaense ou os ligados a orixá, nem pouco mais ou menos à destruição que os franceses fizeram da língua patoá negreira africana que consideravam civilizada.
Mas o Patoá que ouvimos nestes dias na Cidade até tem a ver um pouco com isso. Os franceses desqualificaram línguas como o catalão, basco, bretão, corso, alsaciano (alemão falado na zona francesa da Alsácia-Lorena), neerlandês, por causa do patoá (Patoi em francês).
O meu Patoá quer referir-se exactamente à diversidade de idiomas que costumamos ouvir durante a semana santa, misturados especialmente com o de muitos espanhóis de várias regiões, que têm a tradição de nos visitar. É muita boa música para os nossos ouvidos.

É bom passar pelo Mercado do Bolhão mesmo a desfazer-se e ouvir o som cantado da peixeira a apregoar o tão caro como saboroso Sável do nosso Rio.

Os sabores vínicos do Douro e Porto partilhados em amenas cavaqueiras na tasquinha já nossa conhecida.

Os sons das várias línguas intensificam-se junto ao Café Majestic. Avida é difícil para o "mordomo" , atento às entradas e saídas e à gerência de todos os lugares que vão vagando.

Num dos Hoteis da Praça da Batalha trabalhadores alpinistas esmeram-se na limpeza dos vidros.

O lago-lata do lixo já está recuperado e com repuxo. Os Portuenses olham os turistas.

Lavaram a cara ao Cinema Batalha, mas só isso. A Praça da Batalha merecia este espaço aberto. E como seria bom se voltassem a colocar as várias obras de arte que foram desaparecendo. D. Pedro V continua impávido no seu pedestal.

Lá vai sereno o 22 até ao Carmo, conduzido por uma gentil "guarda-freio" .

Os camones aproveitam para fazer recordações da nossa Cidade.

Infelizmente a decoração do 22, embora berrante, não condiz nada com a Cidade.

O novo Hotel do Grupo D. Inês parece que já funciona. Pelo menos a porta está aberta. Mas as cores, balha-me meu deus balha, será para dar colorido à Praça da Batalha ? E são já dois hotéis pintados nestes tons. Como seria a sua cor ao tempo que o José Anastácio Fonseca o mandou construir no séc. XVIII ?
Não sou cinzento, longe disso, mas a cidade a tomar estas cores parece quase o anúncio de uma empresa de telecomunicações que anda a ser divulgado. Será porque já não é do Belmiro ?

Nova passagem por Santa Catarina e o Majestic. Os sons das linguagens e da música misturam-se e estão num patamar elevado. O "mordomo" já está a controlar desde a Rua. Na nova Alvão também com esplanada saboreia-se um Porto.

Santa Catarina, final de tarde, cheia como um ovo.

Chegava a casa mas ainda deu para ver o sol a partir depois de nos deixar um bom calor de 20 graus e uns pósinhos. Foi bom ouvir vibrar a Cidade no seu centro-alto e partilhar juntamente com o meu camarada Jorge Teixeira, o Presidente Bandalho. Claro que houve loirinhas pelo meio mas dessas já rezou a história.

Perguntaram-me vários amigos o que quer dizer "camone", palavra que uso frequentemente.
É uma palavra do calão portuense, presumo já antigo e que seria expressamente referido aos ingleses. E se haviam muitos por cá... Está no Dicionário da Porta Editora. Actualmente, como brincadeira, referimo-nos a quaisquer turistas. Mas também entre nós, quando há algo que não entendemos. Por exemplo, fála-me língua de gente que não entendo camone.
A origem virá do come on inglês que serve para exprimir imensas coisas.

8 comentários:

  1. Como sempre mais uma viagem no meu imaginário do antanho.
    Obr amigo Jorge
    Abraço
    Luis Fonseca

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez, tu nos faz voltar e nos encantar com tudo, obrigada Jorge.Feliz Páscoa!

    ResponderEliminar
  3. Mestre Jorge Portojo, será que a "onda vermelha" já chegou à mui nobre, sempre leal e invicta cidade do Porto?
    Cabe a minha pergunta ao ver, neste magnífico trabalho, mais um, com que nos presenteias, o 22 que vai para o Carmo, pintadinho de cor gloriosa, e o Hotel D.Dinis que também ostenta a cor do "mafarrico".
    Brincadeiras à parte, uma excelente Páscoa para ti e para todos os Amigos da cidade mais linda, hospitaleira e solidária de Portugal!
    Vasco Augusto Rodrigues da Gama

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Comandante, ou Almirante como é conhecido lá pela Independente Buarcos, infelizmente a mais bela Cidade do Mundo (obrigado pelo elogio que vindo de quem vem é o máááximo...) está a ficar descaracterizada. Essa cor berrante que se vai vendo por aqui e ali deixa a alma triste como a do Salgueiral, ainda por cima com tantos dissabores e arrepios que temos sofrido.
      Um abraço Vasco e boa saude

      Eliminar
  4. Que bom rever o nosso Porto através das suas belas fotografias com comentários plenos de um seu humor muito próprio.
    Obrigada.
    Mª Cândida

    ResponderEliminar
  5. Que delícia! Dá vontade de entrar num avião para ai agora, já!

    ResponderEliminar
  6. E foi bom partilhar uma parte da tarde com o meu camarada e amigo Jorge Teixeira, o Portojo e Secretário General Bandalho e ver com olhos de ver o "nosso" Porto, que com ele descobre-se sempre mais qualquer coisa.
    Um abraço
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar