Pesquisar

sexta-feira, 20 de março de 2015

214 - Comércios e Histórias

Continuando as deambulações pelos estabelecimentos comerciais da minha-nossa Cidade do Porto, vamos visitar mais dois e saber-ouvir algumas histórias. Ambos são no Bonjardim, bem próximo da Trindade.
Comecemos pelo Santos & Irmãos, Douradores, fundada em 1858.
O edifício principal onde se encontra a oficina é o mesmo desde a fundação, na Travessa de Liceiras, gaveto com a Rua do Estêvão. É um quarteirão em obras.
Fui gentilmente atendido por uma senhora, creio que bisneta e sobrinha dos fundadores, por parte da mãe.
José Santos, um dos irmãos fundadores foi estudante na Escola de Belas Artes do Porto. No retrato, ao fundo à direita. O irmão está no retrato superior à esquerda. Por baixo, o retrato do pai da senhora que me abriu as portas, já falecido.
Reparem nos objectos que vamos descobrindo.
Conversei recordando os meus tempos de jovenzito e as vezes que aqui entrei para encomendar molduras, por ordem dos meus primeiros patrões. Nessa altura, as entregas faziam-se pela loja com balcão em Liceiras e onde se viam as pessoas a trabalhar. Sentia-se o cheiro acre a tintas, diluentes, essas coisas...
Trabalhos que demoravam uma infinidade de tempo, mas a obra era perfeita.
Expostos, estão os certificados e as menções honrosas das participações em várias exposições internacionais e nacionais. Incluindo a de Paris de 1902.
Amostras de molduras estão expostas com velhas e novas obras.
Apreciem-se algumas relíquias que encantam.

Arquivados estão desenhos em grossos livros que demonstram a sua antiguidade.
Um antiquíssimo balcão que é anterior a 1912, embora sem data definida.Reparem na foto abaixo.
Foto recolhida na página facebook.com/santosdouradores

Do lado do Bonjardim, quase em frente, encontra-se outra casa da empresa. A foto é antiga, utilizada quando "apresentei" a Rua do Bonjardim.

Ainda no Bonjardim, existe o Alfarrabista José Soares. Velho fornecedor especialmente da Colecção Vampiro e onde troco algumas conversas.
Pois a última conversa teve o seu tom de curioso e interessante. Além das filhas que bem conheço, presente uma senhora que presumo ser familiar. As palavras são como as cerejas e daí chegamos à conclusão que a casa foi fundada 4 anos antes do que a que está referida nas páginas da net.
Muitos dos meus amigos conhecem esta Casa. Mas de certeza que não nos lembrávamos de anteriormente ser o Farrapeiro do Bonjardim. Ora puxem lá pela carola a ver se dá click.

Tinha lido e decorado uma publicação na net que o Alfarrabista José Soares fundou a casa em 1968. E antes o que era ? O tal Farrapeiro onde o senhor Soares trabalhou após tido sido marçano muito jovem acabando por ficar com a loja.
As senhoras começaram a contar uma história que alterou o ramo do comércio. Se bem me lembro foi mais ao menos assim: Em dada altura, para uma festa que teve a presença de umas 100 pessoas, arrumou-se a casa. Seria a comunhão da senhora que se encontrava presente. Tapou-se o interior da loja e para as montras não ficarem desguarnecidas, a esposa do senhor Soares colocou umas revistas, tipo foto-novelas. Começaram a aparecer pessoas a perguntar se eram para vender. Tornaram-se clientes e a partir daí foi o começo do novo comércio.
As senhoras começaram a pensar em que data foi a arrumação, a comunhão, a festa e sai então a data de 1964. Sem dúvidas. Foi a minha vez de interferir: então é preciso alterar o ano da fundação.
Prontos, já está. Não há dúvidas que vale a pena juntar conversas com comércios e a Cidade fica mais descoberta.
Ver a página www.facebook.com/alfarrabistajose.soares e www.alfarrabista.eu

Até breve, caros leitores.

6 comentários:

  1. Querido amigo a loja de molduras me lembra um pouco a do meu avô,Américo Silva, Rositer Foto na rua Antero de Quental 374, só que lá se tiravam fotografias, e também tinha imagens de santos, e várias lembranças para vender, e a oficina de molduras, era mais para dentro não ficava tanto amostra, depois como a loja era grande, meu avó a dividiu ao meio com uma separação em madeira, e uma porta que facilitava ir de um balcão a outro, nessa nova loja funcionava uma ourivesaria,isso foi possível por a loja ter duas portas na frente da rua, a ourivesaria foi fundada não lembro o ano mas já foi no meu tempo, que tenho 72 anos, mas as de molduras, e fotos, acredito ser do final dos anos 20. Obrigada abraços! Isabel

    ResponderEliminar
  2. Jorge
    Estas informações são muito valiosas para aqueles que aí vão, admiram relíquias, e andam em busca destas preciosidades, um grande abraço!

    ResponderEliminar
  3. Amigo Jorge , uma pergunta , é que a minha geografia da nossa cidade ja anda um pouco baralhada, este alfarrabista fica por de traz do antigo edifico dos correios? se for esse comprei la muitos livros de escola em segunda mao quando fazia o antigo curso nocturno e ao lado ( se for a mesma havia uma casa de bebidas ( mercearia ?) que tinha como especialidade garrafas de porto antigas e deixei la quase uma fortuna para trazer garrafas com a minha idade da minha mulher e dos meus filhos
    Aquele abraço

    JOAO VALE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João. o Alfarrabista é aí mesmo, em frente às traseiras do Palácio dos Correios. A casa de bebidas mais próxima, será a Casa Januário, Mas esta fica na esquina do Bonjardim e a Rua Formosa.
      Um abraço

      Eliminar
  4. Então não havia de conhecer o Santos, Douradores !...
    O alfarrabista é que não conheço de todo !

    ResponderEliminar
  5. O Alfarrabista Soares e família foi/foram meus "companheiros", (é esta a terminologia do campista), no Parque de Esmoriz durante muitos anos. Éramos vizinhos porta com porta, que é como quem diz tenda com tenda. Bons velhos tempos esses que recordo com uma certa nostalgia e prazer.
    Um abraço
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar