Pesquisar

sexta-feira, 23 de março de 2012

122 - A Rua de Cedofeita

É uma Rua cheia de história a que recordo hoje. Situada no coração da Freguesia de Cedofeita, cujo nome deriva, segundo a lenda, da rapidez ( cito facta )  com que foi construída a velha Igreja dedicada a São Martinho, edificada primitivamente durante o domínio Suevo no séc. VI. Mas essas ficam para outra altura bem como a da história do Templo.
Historiadores dizem  que o Couto de Cedofeita existe doado por D. Afonso Henriques, o nosso primeiro Rei – séc. XII – e outros desmentem. Não sei quem são ou foram uns e outros nem a quem foi doado, mas a ser verdade deve ter sido ao Bispo do Porto.
Vamos conhecer a Rua, seguindo no sentido Carlos Aberto/Boavista.

Ora esta Rua de Cedofeita que hoje começa na Praça de Carlos Alberto, (antiga Praça dos Ferradores) era conhecida em 1777 como a Rua da Estrada, que ligava o Porto à Povoa - ver minha postagem 111 -, mas na realidade começava antes, na Cordoaria, junto às Muralhas Fernandinas e à Porta do Olival (?).
Começou a ser pensada a sua abertura em 1762, por iniciativa de João de Almada e Melo aquando no cargo, que presumo corresponder nos dias de hoje a ministro, de Presidente da Junta das Obras Públicas do governo do Marquês de Pombal, a quem ligavam laços Familiares. Foi um dos grandes obreiros da modernização de Lisboa depois do Terramoto de 1755.
Veio para o Porto onde começou obras de grande vulto. Uma delas ligar a zona portuária do Douro com as partes altas da Cidade. A Rua de Cedofeita foi uma das vias que idealizou.
Uma pequena nota sobre este Almada. Não foi só político, mas também militar e grande amante das artes. Talvez tenha sido o introdutor do teatro lírico em Portugal. Para os interessados, recomendo a leitura da sua biografia em  http://sigarra.up.pt/up/web_base.gera_pagina?P_pagina=1006464

O certo é que a Rua foi aberta ràpidamente - volta aqui a entrar e com razão o cito-facta, traduzido para cedo-feita - e passou a conhecer-se como Rua Direita de Cedofeita.
A chamada Planta Redonda de Balck publicada em Londres (1813) mostra já o troço de Cedofeita até à Rua da Boavista, quase todo ladeado de casario. E como não podia deixar de ser refiro-me à Toponímia Portuense de Andrea da Cunha e Freitas.

A uma dezena de metros do início, olhamos para Oeste. É mesmo quási toda direita.

Olhando para trás, o pormenor da calçada e ao fundo a Torre dos Clérigos 

É uma artéria de grande aglomerado residencial, tendo no rés-do-chão da maioria dos edifícios comércios das mais variadas espécies. Quási todos eles - edifícios - são do séc. XVIII e princípios do séc. XIX,
predominantemente estreitos e compridos onde sobressaem as varandas de sacada com a arte do ferro tão tradicional do Porto, cantarias nas pilastras e cimalhas de granito e azulejos na fachada, estes já do séc. XIX ou XX.
Vamos mostrar em pormenor alguns desses edifícios, contar a sua história bem como de alguns dos seus primitivos donos e/ou ocupantes. A maior parte deles são referenciados como imóvel de interesse púbico pelo IGESPAR. Para os interessados mais um site http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/

O nº 124-128 teve a característica da montra recuada (Texdekor). Aproveitaram as colunas para avançaram com a frente da montra.

Os nºs 154 e 162 são os mais antigos da Rua.

 Vistos de frente

No nº 159 viveu a grande Carolina Michaelis e seu marido Joaquim Vasconcelos, casados em 1876. Ela
é reconhecida como a mais importante das filólogas da língua portuguesa. Foi crítica literária, escritora, lexicógrafa, tendo sido a primeira mulher a leccionar numa universidade portuguesa, a de Coimbra. Teve igualmente grande importância como mediadora entre a cultura portuguesa e a cultura alemã. Nasceu em Berlim em 15 de Março de 1851 e Morreu no Porto em 22 de Outubro de 1925. Uma biografia a não perder em http://cvc.instituto-camoes.pt/hlp/biografias/cmvasconcelos.html
Joaquim Vasconcelos natural do Porto e onde faleceu (1849-1936) musicólogo e historiador de arte, vivia e estudava na Alemanha quando conheceu Carolina. Foi um dos grandes pioneiros da divulgação e desenvolvimento da arte popular. As exposições no Porto em 1881 de Industrias  Caseiras e um ano mais tarde da exposição de Cerâmica devem-se em grande parte a ele. Crítico entre os métodos de ensino inglês e o rigor alemão científico adaptados à arte portuguesa criou alguns anti-corpos. Deixou uma obra de grande valor cultural. José Augusto França disse que foi ele o real fundador da História da Arte em Portugal, entendida como ciência, com objecto e método próprios.
Parte de uma vida que vale a pena ler em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/5555.pdf
Consta-se que na véspera da Revolução de 31 de Janeiro de 1891 (a primeira tentativa da implantação do regime republicano em Portugal), Antero de Quental, vindo de Vila do Conde, hospedou-se aqui e os estudantes da Academia Portuense organizaram na rua, em frente à casa, um grande comício patriótico. Antero falou aos estudantes da varanda da casa de Joaquim de Vasconcelos.

Este edifício não é dos referenciados pelo Igespar. Presumo ter sido uma escola primária, com o nome de Irene (Lisboa?). As poucas letras que ainda se lêm não permitem mais. No entanto há em Cedofeita uma Escola Irene Lisboa. Só uma pequena nota sobre: Irene do Céu Vieira Lisboa (Casal da Murzinheira, Arruda dos Vinhos, 25 de Dezembro de 1892 – Lisboa, 25 de Novembro de 1958), foi  escritora, professora e pedagoga. Estudou na Suíça, França e Bélgica onde se especializou em Ciências de Educação, o que a habilitou a escrever várias obras sobre assuntos pedagógicos. Durante a estadia em Genebra, mercê de uma bolsa do Instituto de Alta Cultura, teve a oportunidade de conhecer Jean Piaget e Édouard Claparède, com quem estudou no Instituto Jean-Jacques Rousseau. Afastada de exercer qualquer cargo pelo Ministério da Educação no tempo do Estado Novo pela sua tentativa de remodelação do ensino primário.

A seguir encontramos a Rua da Torrinha e quási em frente a Rua dos Bragas. Eram terrenos de José Ribeiro Braga. Voltados para Torre dos Clérigos, fica uma à direita e a outra à esquerda.
As duas Ruas. Por aqui corria muita água...
... Uma vistoria, a requerimento de José Braga... noutras e suas propriedades de Cedofeita e situadas na Rua da Torrinha, para ai se edificar um chafariz .... Assim oferecia o citado munícipe o terreno necessário a construção da fonte, mas impondo como condição a cedência por parte da câmara de pena e meia de água diários, (945 litros). Respigado na História da Fonte
Em frente à Rua da Torrinha e na Rua de Cedofeita, um pouco ao lado da muito antiga Casa Granado, construiu-se a Fonte de Cedofeita, que parece ter sido em 1826 mas não tenho certeza.
O que resta da Fonte está nos jardins dos SMAS (a que chamamos as Águas) em Barão de Nova Sintra. Um autêntico Museu de Fontes e Chafarizes dentro de um parque florestal magnífico. Recomendo uma visita.
A Rua dos Bragas é uma homenagem ao José Braga.

Vamos passar ao nº 395, frente e traseiras na foto, de um edifício com muita história. Durante o Cerco do Porto nas Lutas Liberais ou Guerra Civil, D. Pedro IV - o 1º Imperador do Brasil - acolheu-se a esta casa depois de ter sido bombardeado pela artilharia das tropas de D. Miguel situadas em Gaia, o Palácio das Carrancas (hoje Museu Nacional Soares dos Reis), onde tinha os aposentos.
Pertencia na altura a casa a Joaquim Ribeiro Faria de Guimarães (1807-1879), importante industrial da Cidade. Em 1857 fundou a Fábrica de Lanifícios de Lordelo do Ouro e foi proprietário de uma tipografia onde se imprimiam vários periódicos.
Geriu a Fundição do Bolhão, fundada pelo seu pai, desempenhou cargos de presidência em várias instituições oficiais e parlamentares. Foi vice-presidente da Câmara Municipal do Porto e, entre 1852 e 1854 foi o primeiro presidente da Associação Industrial Portuense hoje incluída na Associação Empresarial de Portugal. (acho que estou certo nesta afirmação).
Julgo que a Rua de Faria de Guimarães tem o topónimo em sua homenagem. Mas nada me diz se é verdade. Nem a própria Câmara Municipal esclarece nas Toponímias da Cidade.
Mais tarde foi adquirido por D. Júlia de Mello Sampaio de Lencastre, tendo servido de sede aos Tribunais Correccionais e ainda a uma Repartição das Finanças. Esta senhora presumo ter sido a 3ª baronesa de Pombeiro de Riba Vizela, mas o Lancastre e não Lencastre virá de seu marido D. Caetano Henriques Pereira de Faria de Saldanha e Lancastre. Sampaio também se deveria escrever Sampayo. Minudências.
Não sei como o edifício terá passado para Alfredo Leite da Silva, o senhor Citroen no Porto e após a sua morte para Augusto António Marques Tomé, o actual proprietário. Que o recuperou, talvez ainda não no seu todo, da degradação em que se encontrava. 

Paredes meias encontramos - sem referência do Igespar - a Casa da Família (?) Pinto da Costa. Como o nosso Papa Jorge Nuno, Presidente do Futebol Clube do Porto nasceu em Cedofeita, talvez o tenha sido neste casarão. São suposições minhas pois a casa só me foi mencionada por moradores da Rua. Não a conhecia nem a net me diz nada sobre ela.
Pormenor do Jardim visto através do portão e parte visível de um pormenor das traseiras.
Como se pode ver a casa está meio arruinada. O que é pena. Parece que teria uns jardins
magníficos e enormes. 

Vem a seguir a Casa dos Barões do Seixo, título criado por D. Maria II em 19 de Julho de 1845. Hoje é um condomínio fechado. Impressionante a altura de uma árvore quási encostada à casa, cuja espécie desconheço. Os jardins (consegui um pequeno pormenor visto da rua) foram criados pelo célebre paisagista Èmile David (Berlim, 1839-Porto, 1873), que entre outros projectou os Jardins do Palácio de Cristal, do Passeio Alegre e da Cordoaria. Este, infelizmente, após os temporais que o descaracterizaram, continua a ser alvo de más projecções. Coisas à Moda do Porto. Até a célebre Árvore da Forca, que nunca enforcou ninguém e resistiu séculos, lhe cortaram o pé. Mas continuemos por Cedofeita que é o que nos interessa agora.
Falta referir o edifício da Esquadra de Cedofeita, o último deste correr de grandes e belos prédios. Mas sobre este não há nada a dizer. Só sei que é arrendado, mas referencias nenhumas.
Mas nem tudo se perde, quando ouvimos uma história, registada em auto, garantiram-me. Foi em Cedofeita que se deu a primeira participação, da Cidade, sobre o roubo de um porco. E mai'nada.
   
Sobre o prédio nº 548 tinha a referência de existirem belos interiores do séc. XIX. Pertence actualmente à Congregação das Servas Franciscanas Reparadoras e acolhe um Lar Feminino. Foi-me permitida a entrada, gentileza sempre de enaltecer e agradecer e a autorização para fotografar o vitral e o tecto da entrada.
Todo o interior foi restaurado a expensas suas há dois anos. Infelizmente, um infiltração de água, destruiu parte do tecto.

O edifício seguinte pela ordem do caminhar é o nº 556, referido pelos seus azulejos. Não consegui obter mais informações.
No edifício que faz esquina com Álvares Cabral - sem qualquer referência do Igespar - nasceu Augusto de Castro Sampaio Corte-Real (Porto, 11 de Janeiro de 1883 - Estoril, 24 de Julho de 1971), mais conhecido por Augusto de Castro. Foi advogado, jornalista, diplomata e político com uma carreira que se iniciou nos anos finais da Monarquia Constitucional Portuguesa e se estendeu até ao Estado Novo. Ganhou grande notoriedade como comissário da Exposição do Mundo Português em 1940. Foi director do Diário de Notícias por dois períodos distintos, de 1919 a 1924, altura em que partiu em missão diplomática para Londres, e de 1939 até 1941.

Membro da Academia Brasileira de Letras, eleito em 25 de Janeiro de 1945, ocupando a cadeira nº 5, que pertencera a Eugénio de Castro (1869-1944).

Atravessando a Rua de Álvares Cabral (que vai dar, pela esquerda, ao antiquíssimo Templo referido no princípio deste escrito e talvez onde tenha começado a história de Cedo-Feita - cito-facta - ) na bifurcação com a Travessa da Figueiroa, a cerca de 50 metros acaba a rua que deu origem a estas histórias.
Nesse espaço existiu outra fonte que ainda se pode apreciar nos Jardins dos SMAS, antes referidos.
O seu nome, Fonte do Ribeirinho ou dos Ablativos, deve-se a dois factos:
Fonte do Ribeirinho, porque perto de onde estava colocada, ao lado norte passava um ribeiro que se formava de várias nascentes que se localizavam no Montes Pedral, do Cativo e da Lapa. Esse ribeiro tinha o seguinte percurso: Passava em Salgueiros, atravessava a Quinta Do Melo ou Águas-Férreas (Dos Viscondes de Veiroa), a rua de Cedofeita e a Ponte de Vilar, desaguando no Douro, na Praia de Massarelos.
Fonte dos Ablativos, devido a inscrição nela existente ser composta por vinte e quatro Ablativos. São vários os autores que transcrevem essa inscrição, assim como o seu significado .No entanto a que se transcreve é da autoria de Horácio Marçal no artigo O antigo sitio do Laranjal - in - O Tripeiro, Março de 1966, VI série, ano VI- ... a inscrição, lhe parece, ter algumas palavras que não são latinas e, em sua opinião, não é fácil de traduzir. Contudo, dá-nos a tradução da dita inscrição que é a seguinte: - Com aprazimento muitos e desagrado de outros, foram reunidas as águas que corriam sujas e desaproveitadas, pelas lajes da rua, e pelas margens do ribeiro, formando charcos imundos, e dificultando a passagem de transeuntes. Assim as águas conduzidas para esta fonte, tornavam o sítio, ate então incomodo e sujo, em belo e comodíssimo; e as águas agora limpíssimas, desalteraram os suburbanos sequiosos.
De destacar o medalhão, delicadamente trabalhado e envolvido por um cordão vegetalista, podendo observar-se a imagem de N. Sra. de Vandoma - Padroeira da Cidade - representada como é natural, entre duas torres.
Foi feita esta obra no reinado da piedosa, feliz e Augusta Rainha D. Maria I, por diligências de José Ribeiro Vidal da Gama, dos Conselhos de sua Real Majestade, Chanceler Portuense, servindo de Presidente do Tribunal de Justiça, no ano de 1790.
Respiguei textos e coloquei originais descritos na História da Fonte dos autores Américo Costa, Horácio Marçal e Hélder Pacheco.

As Cidades cresceram na História das gentes que habitaram - e habitam - nas suas Ruas. Espero tenham gostado da Rua de Cedofeita e das muitas Histórias que acolheu.

24 comentários:

  1. Amigo, conheço a rua de cedofeita claro, mas não sabia nada da hisória dela, então como sempre util e interessante saber. Mais uma vez obrigada.
    Abraços Isabel

    ResponderEliminar
  2. Tantas vezinhas que percorri essa rua a pe, tantas vezinhas fui para a rua dos bragas ( faculdade), tantas horinhas perdidas num cafe que havia na esquina dos bragas com cedofeita, realmente este post reavivou me mesmo muitas memorias , e fiquei espantado por ver que uma parte de cedofeita é agora zona para peoes, ja agora uma coisa que nao percebi, todas as fontes e fontenrios que havaia na cidade " aterraram" todos nos jardins dos smas , sera que eles fazem coleçao???
    Bem haja amigo Jorge pelas lembranças que este post me trouxe...

    JOAO VALE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o café da esquina da Rua dos Bragas com a de Cedofeita é o LATINO

      Eliminar
  3. Que bom saber ,que ainda existem pessoas que se preocupam ,em mostrar pra o mundo a historia de sua cidade,pais e sua gente ,como e o caso da Cidade do Porto.Pessoas como tu ,deveria ser bem reconhecido, porque fazes um lindo trabalho de divulgacao,e que com certeza ,tens o reconhecimento do publico,a quem direciona,bravo , e muito sucesso nos trabalhos que ainda virao.

    ResponderEliminar
  4. Sou Neto da ultima Dona da Casa dos Barões do Seixo, sobrinha da Baronesa do Seixa, e confirma-se que a casa da familia pinto da costa foi onde nasceu e viceu o Presidente do FCP.
    Acrescento também que a casa dos barões do seixo foi a primeira casa a ter elevador no porto!
    Qualquer outra informação sobre a casa ou outro assunto é só pedir!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MUITO OBRIGADO, AMIGO. DESCULPE SÓ AGORA RESPONDER MAS NÃO TINHA REPARADO NO SEU COMENTÁRIO.

      Eliminar
  5. Boa noite, adorei o post. Quanto à escola Irene Lisboa, eu andei lá, mas pelo menos no meu tempo (de 87 a 89), era uma escola do 2º ciclo (5º e 6º anos). A janela grande que se vê na foto no lado esquerdo, era o ginásio. A entrada principal era essa, mas os alunos utilizavam os portões da Rua do Breyner, para entrar e sair (dava para o recreio, e os pavilhões pré-fabricados onde se tinham as aulas de trabalhos manuais :) ).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO. É BOM SABER.

      Eliminar
    2. correctissímo anaaaatchim

      Eliminar
  6. A Acece dá os parabéns por este excelente trabalho.

    ResponderEliminar
  7. EKYVAL CEDOFEITA
    Perfume Low Cost de Grande Qualidade
    Rua de Cedofeita, 164
    https://www.facebook.com/ekyvalperfumescedofeita?fref=ts

    ResponderEliminar
  8. Rua de Cedofeita onde vivi muitos anos, e de onde casei.Ao lado da minha casa era o Tribunal. Andei na Escola Primária, que ficava junto da Legião Portuguesa. Mais tarde passei muitas horas no Café Bissau, onde estudávamos! Lembro-me de algumas lojas, como uma mercearia, na esquina da rua da Torrinha, que era do Sr.Pinho. Também de uma confeitaria à época, muito frequentada por estudantes, a Confeitaria SUAVE (tinha uns pastéis que eram uma delícia). Naquela altura passava o carro elétrico. Ando muita vez na Net, navegando por lá! Recordar é viver!!!

    ResponderEliminar
  9. A casa da Carolina Michaelis, não foi escola primária, foi Ciclo Preparatório Irene Lisboa, eu andei lá em 1975/1976 e 1976/1977 :)

    ResponderEliminar
  10. Excelente pesquisa. No entanto, ainda faltam os tais 50 metros até à rua da Boavista. Aproveito para fazer um reparo. A rua que fica à esquerda do cruzamento com a travessa da Figueiroa, é a rua Sacadura Cabral. A rua Álvares Cabral é que vai desse cruzamento até à Praça da República. Parabéns pelo Blog.

    ResponderEliminar
  11. A casa está erradamente referida como da familia Pinto da Costa quando na realidade o que aconteceu é que a mãe de J N P C de apelido Lima Pinto e de nome próprio Elisa, casou (golpe do baú) com um sujeito de apelido Costa de quem se separou. Tem a casa uma particularidade . Para a celebração das bodas de prata do seu avô de nome Honório de Lima, grande fortuna na cidade e dono da casa (e também do cinema S. João e da Fabrica de Cortumes do Bessa e de grande pinacoteca privada) este fez construir no jardim um teatro onde cantou numa festa privada o célebre tenor Caruso. São os genes Costa, que particularizam negativamente o cidadão J N P da Costa

    ResponderEliminar
  12. Gostei o post. Aproveito para contribuir com informação sobre o nº 285, onde realmente funcionou a Escola Preparatória Irene Lisboa e hoje é o ISCET - Instituto Sup. de Ciências Empresariais e do Turismo. O Doutor Jorge Pnto escreveu um livro sobre este edifício: http://www.fnac.pt/O-285-da-Rua-de-Cedofeita-Jorge-Ricardo-Pinto/a810991.

    ResponderEliminar
  13. Caro amigo Jorge,
    Gostei das fotos, mas muito mais da História que as acompanha. Assim, graças ao teu empenho, vou conhecendo o teu Porto, a cidade que te vai na alma.
    Tudo de bom para ti.
    Abraço transatlântico.
    José

    ResponderEliminar
  14. Como sempre um excelente trabalho onde através dele vamos conhecendo um pouco da cidade do Porto, seus costumes, seus habitantes e o carinho e a competência do amigo em nos mostrar tão dignamente tudo isso através do seu blog. Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. O SOBRENOME DE MINHA MÃE É CARCELLER . Como se obter mais informações sobre as origens deste sobrenome ? Grata

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veja aí se tem sorte: http://www.heraldrysinstitute.com/cognomi/Carceller/Spain/idc/638218/lang/pt/

      Eliminar