Pesquisar

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

114 - Paranhos, Recordar tempos antigos

Sou de Massarelos por nascença mas Paranhense do coração. Aqui nesta freguesia foram passados 17 anos da minha vida desde os 3 dias de idade, segundo me contavam avós, pais, vizinhos (Aos amigos e visitantes interessados nas minhas postagens, na nº 3, lá está a minha rua).  Não posso dizer que conheço Paranhos pois a sua área territorial é a maior da Cidade do Porto e a terceira maior do meu Portugal.
Os meus clubes do coração e estimação aqui nasceram, tiveram ou têm os seus recintos desportivos, o Porto, o Salgueiros, o Académico (deste, presumo que pelo menos uma parte pertence ao Bonfim); mas dos pobres também reza a história: O Sport Progresso, o Francos Figueirense e o Portuense de Desporto. A todos estive ligado - ao Progresso não - e neste passeio histórico de tudo isso lembrei. Tenho por aí uns escritos falando individualmente de cada um deles.
A história de hoje é outra e começa com o pedido de um amigo freguês Paranhense emigrado no Luxemburgo que com saudades da sua terra me pediu fotos para mostrar aos descendentes.
Paranhos deriva de Paramio, cujo actual nome aparece pela primeira vez num documento datado de 1689.
Sabemos que pertenceu em grande parte às terras da Maia até 1837 quando se integrou na Cidade do Porto, mas já habitada muito antes do Condado Portucalense até por Mouros (ou Árabes) que aqui se mantiveram até ao séc. X. Foi um lugar de muitas aldeias.
A actual Igreja - dedicada a São Veríssimo -  não tem data registada da sua fundação. Conhecem-se os assentos de umas obras efectuadas por um mestre pedreiro em 1845 por estar em ruínas. Mas em 1123 já existia uma igreja quando foi realizada a doação do padroado da Igreja de Paranhos ao Bispo do Porto D. Hugo do qual faziam parte grande numero de casais e quintas.
Na torre esquerda existiu um relógio de sol construído em 1878. Hoje só lá está a marca. Será que custava muito reconstruí-lo ? Sempre era uma lembrança dos velhos tempos.
Sabemos que a freguesia possuía vastos campos de cultivo desde tempos remotos. Apesar da modernidade, ainda existem indícios dos senhorios que cultivavam essas terras. Também foram criadores de gado bovino o qual era exportado para Inglaterra. Lembro-me ainda de alguns lavradores de Álvaro Castelões, Aval, Augusto Lessa. As fotos acima são de antigas casas principais de lavoura à volta do Largo da Igreja de Paranhos.
Por outro lado e pelas ruas que se foram abrindo, emigrantes do Brasil estabeleceram-se com várias industrias e comércios e construíram belos edifícios, alguns apalacetados. Assim, a partir dos finais do séc. XIX e princípios do séc. XX, a ruralidade antiquíssima da Freguesia tomou novos aspectos. Mas as novas oportunidades trouxeram novos habitantes. Em alguns desses edifícios hoje estão instituições: A Universidade Fernando Pessoa, a Ordem dos Médicos, a Associação dos Pais de Crianças Deficientes.
Muitos dos campos de cultivo de outrora foram rasgados por novas artérias.
Paranhos foi sempre um lugar com Festas e Romarias. A mais importante seria a Feira de S. Miguel que durava de um a dois meses, com muitas tascas de comes-e-bebes.
A partir de 1887 as Festas da Senhora da Saúde adquiriram pela sua grandeza a categoria de Festas da Cidade. Duravam 8 dias com arraiais, feira, fogos de artifício e uma majestosa Procissão que saía da Igreja e terminava no Largo do Campo Lindo, junto à Capela da Senhora da Saúde.
Uma lembrança me ficou gravada de um dos anos da festa. Neste Largo provei  pela primeira vez cerveja, ofertada pelo meu pai do seu copo. Havia uma esplanada montada que pertencia a um café que ainda existe - precisamente de nome Campo Lindo - onde esperávamos pela minha mãe. Quem diria que na altura detestei o sabor dessa bebida maravilhosa. Na época eram ofertados por cada fino (nome portuense dado a um copo de 20 cl de cerveja tirada à pressão), amendoins, batata frita à inglesa, tremoços e azeitonas, servidos em taças de vidro com 4 divisórias. Esses sim, comi-os todos e talvez por isso o meu pai, que não era bebedor, tomou três finos. Mas não invalidaram o apetite para o lanche que sempre comia quando saía com os pais. 
A Capela da Senhora da Saúde foi construída em 1871. As Festas ainda se realizam mas sem a grandeza de outrora.
Tomando a Rua de Costa e Almeida (que foi Presidente da Câmara e Governador Civil) onde antigamente se realizava a Feira da Louça, vamos ter à Praça Nove de Abril, (a razão desta toponímia  contarei mais abaixo) mas mais conhecida como a Arca d'água. Largo da Arca d'Água assim se chamou desde tempos antiquíssimos. Aqui se encontram os mananciais de água de Paranhos que durante séculos abasteceram uma grande parte da população da Cidade. Ao rei D. Sebastião (séc. XVI) havia sido feito um pedido para encanar esta água, presumindo-se que foi perdido. Hábito que ainda hoje persiste, pois continuam a perderem-se coisas em Lisboa no que diz respeito ao Porto e ao Norte. Mas seguindo com a história. D. Sebastião, não sei se por castigo, também se perdeu em Alcácer-Quibir e ainda hoje almas crentes andam à procura dele. Para compensar a perdição chegaram os espanhóis por 60 anos (1580/1640). Que no reinado de Filipe II acharam um novo pedido e então sim, foi dado o ok para que a água do manancial de Paranhos fosse encanada. Umas vezes subterrânea, outras vezes a céu aberto. (Estes subterrâneos ou parte deles, podem ser visitados desde que o pedido inclua, creio, um mínimo de 20 visitantes, devidamente armados de galochas, capas de chuva e chapéus. Quer dizer, roupa para enfrentar o dilúvio. Os Serviços de Águas - SMAS ou Águas do Porto, não sei como se chamam - sediados em Nova Sintra, aceitam e programam as visitas).
Em 1920 foi construído um Jardim, com lago e gruta, servindo esta agora para centro de convívio da terceira idade. No Largo, durante as Festas da Senhora da Saúde, estavam as diversões e o célebre Mastro de Subir ao Bacalhau. Para quem não sabe o que isto era, devo esclarecer que era um pau com uns metros de altura, devidamente cebado tendo no alto cruzado outro pau. Em cada braço eram colocados um bacalhau, uma garrafa de vinho e se bem me lembro chouriços em argolas. Quem conseguisse subir ao pau, ganhava de prémio o material exposto. Bonecos representativos dessa paródia não faltavam nas cascatas sanjoaninas. E na que meu pai me fazia todos os anos não faltava mesmo.
Voltando à história deste lugar. A oeste acaba a Rua de Vale Formoso e começa a Rua do Amial, assim chamada por causa dos muitos amieiros que por aqui existiam. Foram parte desde tempos remotos da Estrada de Braga que começava no lado direito do Largo dos Ferreiros, actualmente Carlos Alberto. Presumo que é esta a famosa estrada que desde o séc. XVI se chamava dos 9 Irmãos. Mas séculos antes a Via Romana que ligava o Porto à Bracara Augusta terá por aqui passado.
Antes da construção do Jardim, em 6 de Fevereiro de 1866, Antero de Quental e Ramalho Ortigão andaram a bater ferros um contra o outro por causa da Questão Coimbrã. Quer dizer, parece que o duelo se deu derivado aos insultos escritos com que Antero mimoseou as obras e/ou opiniões de Castilho tendo este sido defendido pelo Ramalho chamando covarde a Antero. A história regista que Antero ganhou por um arranhão. No final ficaram todos amigos. Gente culta é outra coisa. Por curiosidade e para demonstrar a falta de cuidado com o que se publica, no site da Junta diz que foi em 1865. Quem escreve verdade ?
Quási no final da Rua de Vale Formoso - desconheço a razão do toponímico - encontra-se o que o portuense chama de Bom Pastor. Presumo que seria um antigo convento de uma irmandade vocacionada para o acolhimento de mulheres. A Congregação do Bom Pastor, com ramificações pelo País está activa. Aqui viveu entre 1894 e 1899, altura do seu falecimento, uma monja - me desculpem se erro o nome, mas é um leigo que vos escreve - nascida na Alemanha em 1863 e sepultada no Cemitério de Paranhos. Criou um carisma muito especial e ficou reconhecida com a Santinha de Paranhos.
Não sei ao certo se as antigas instalações do Quartel de Transmissões, conhecido como Quartel do Bom Pastor, agora uma ruína, desactivado desde 1995, fazia parte das instalações da Congregação. Em tempos numa conversa, afirmaram-me que sim, tendo resultado de uma troca de interesses com o Estado Novo. Adiante.
O JN de 19 de Julho de 2008 publica que o Comando Metropolitano da PSP do Porto vai deixar o Aljube e instalar-se no antigo quartel que vai sofrer obras de restauro. Provàvelmente a começar em Janeiro, segundo o Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna da altura, José Magalhães. E incluirá uma nova esquadra, a do Bom Pastor. Um longo artigo o do JN.
O Expresso de 13 de Março de 2010, com origem na Lusa, publica a seguinte notícia: A PSP do Porto vai concentrar o seu comando metropolitano, a Divisão de Trânsito e um hotel para polícias na zona do antigo quartel militar do Bom Pastor, onde também já está a construir-se uma esquadra. Afirmações do Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Conde Rodrigues.
Ora bem. A degradação está igual, mas a nova esquadra lá está. Num novo edifício entre o da Congregação e o do antigo Quartel, adquirido pelo Ministério do Interior em 1995. Com umas traseiras onde se pode apanhar o bom sol de inverno, jogar com uma consola manual e tomar um café e conversar. Assim estavam 4 pessoas fardadas à PSP quando entrei pela porta do cavalo e fui pedir autorização para entrar e fotografar apenas o emblema das transmissões. Manias de veterano. Claro que fui corrido com um não pode em formas grosseiras, tanto pelo jogador de consolas - um chavalo aí dos seus 23 a 25 anos - como por um outro agente (?) que apareceu à janela, mas que pelo sim pelo não falou para dentro e renovou o não pode no mesmo estilo policial. E depois quer esta rapaziada que  fiquemos do lado deles... O Peixoto, velho companheiro destas minhas andanças, só se ria. Mas fiz a foto tanto de parte das ruínas como do emblema, encostado à esquadra. E não foi às escondidas, porque os policiais disseram pode.
Mas os meus finalmentes eram a Rua de Monsanto.
Que começa mesmo em frente à Arca d'Água. Lá estão ainda as velhas Alminhas, agora sem santo - ou santa - bem como o antigo tanque público, mas devidamente renovado. E os terrenos que eram a utopia do falecido Linhares ex-presidente do Salgueiros, para a construção do novo estádio. Tudo a monte e o lago que se criou e onde parecem existir peixes que amigos do ambiente trouxeram para se reproduzirem e servirem posteriormente só para entretimento de pescadores com alma. É pescar e devolver ao lago.
Pela Rua de Monsanto ou nas suas cercanias, encontramos ainda caminhos antigos. Mas a história da Cidade diz que foi Rua do Regado pelo menos até 1933. E tomou o nome, pensa a nossa autarquia, advindo da vitória republicana sobre as monárquicas na serra do mesmo nome, junto daquela cidade. E atiram para o Andrea de Cunhas Freitas esta hipótese. Homem de Lisboa que veio para o Porto como secretário da Câmara de Falências e morreu em Vila do Conde em 2000 deixando muitas obras sobre o Porto. Mas uma coisa é certa. Não encontro a cidade de Monsanto em Portugal, mas sim a Aldeia, que foi considerada no tempo Salazarista como a mais Portuguesa. Gostos. Mas na história da Aldeia não há nenhuma referência quanto a vitórias republicanas contra monárquicas. Será que a nossa querida Câmara não tem registos das actas em que se resolvem dar o nome a Ruas e os porquês ? Até que esta nem é antiga. Mas quem sou eu para me meter nestas coisas. 
Aqui temos a "famosa" Rua Nove de Abril, à entrada de Monsanto e bem próxima da Praça com o mesmo nome, a tal que os tripeiros chamam de Arca d'Água. Trabalhei numa oficina metalúrgica fabricante de candeeiros, sediada na rua. Acontece que para secar umas peças com um bico de gás conforme me ordenaram e que eram metidas num pequeno foço onde estava a garrafa bem como uns desperdícios de algodão, resolvi pegar fogo aos ditos, involuntàriamente, claro. Entrei numa segunda-feira de Outubro de 1959 e saí na segunda-feira seguinte, data do incidente. Ainda não tinha completado 14 anos mas já se adivinhava que o meu futuro não era a industria do ferro.
Então o porquê desta Rua e a Praça se chamarem de Nove de Abril. Diz a tal toponímia da cidade que é em lembrança da Batalha de La Lyz, travada nos campos da Flandres no ano de 1918, onde as tropas portuguesas se vestiram de glória. Curiosamente, foi em Nove de Abril de 1833, que os liberais de D. Pedro IV sitiados pelas tropas do absolutista D. Miguel, tomaram de assalto o forte reduto do Covelo, aqui em Paranhos. Assim, questiono se a antiga Rua da Bica Velha, chamada desde 1933 (?) de Nove de Abril, bem como o Largo, serão em memória de La Lyz ou do assalto ao Covelo ?

No final de Monsanto encontramos o Bairro do Carvalhido e o que foi o Monte da Caramila. Só conheci este nome porque o meu amigo e freguês do Luxemburgo mo referenciou. E confirmei por uns habitantes com quem meti conversa.
Porque o meu amigo fez a primária na escola 105, da Caramila fui investigar. Hoje chama-se como muitas outras de EB.1+2, ou coisa parecida, que não faço ideia do que quer dizer, mas inclui um infantário. Mas é conhecida como naquele tempo, da Escola da Caramila. E sabem como descobri ? Porque um escritor juvenil escreveu no seu blogue que foi lá promover um livro de sua autoria. Bem escrevi há Junta de Freguesia de Paranhos para saber mais coisas do lugar. Mas como é habitual e por isso já nem estranho, o meu pedido não teve resposta. O rumo é o mesmo de todas as autarquias, incluindo a Câmara Municipal: O cesto dos papeis. A excepção honrosa foi a da Junta de Santo Ildefonso, que me informou onde era - é - a Casa de Germalde, mas não sabiam que o Ramalho Ortigão tinha lá nascido.
Chegado a São Dinis resolvi, contràriamente aos meus princípios subir a Rua. O antigo canil onde o  Boby, adoptado pelos meus pais já eu era bem grandinho, foi abatido ficando um grande vazio lá em casa e enorme desgosto. Hoje é mais uma entre tantas repartições do ambiente da Câmara.
No início (ou fim não sei bem) da Rua de S. Dinis próximo da Vale Formoso, está o saudoso Cine-Teatro Vale Formoso. Por me portar bem, a minha avó dava-me 25 tostões para ir ver os filmes do Joselito e do Marcelino. Era um cinema de bairro, mas meio aristocrático. Em 1950 os meus pais vestiram-me de Pierrot, fato feio pela minha mãe em cetim amarelo com botões e gorro preto e fomos a um carnaval no Vale Formoso. A maquilhagem esteve a cargo da Mimi. Tenho a foto feita dias mais tarde no Salvador em Santa Catarina e a lembrança de alguns pormenores, incluindo a orquestra vestida de branco. 
Ao palco onde Merce Cunninghan dançou com musica de John Cage nos anos 60'
estão agora os senhores mal aventurados da IURD que não conseguindo comprar há uns anos o Coliseu do Porto vieram tomar conta deste belo espaço.
Fechado no momento, mas dizem que vai ser centro de convívio social.
Imagino as obrigações que os irmãos vão ter de fazer para conviver


15 comentários:

  1. Olá jorge,
    Este trabalho merece ser louvado. Se o ofereceres às juntas de freguesia, chamam-lhe um figo.
    Qualquer dia ainda vais ser convidado, por um tal historiador que aparece no canal Porto, para fazeres um programa com ele.
    Abraço e continua.
    Quelhas

    ResponderEliminar
  2. Fabuloso este teu trabalho.
    Lição de História Geral
    E memórias de infância.
    A primeira cerveja , a gente nunca esquece.
    Encantei-me com a história de mais este lugar.
    Obrigada por mais essa maravilha.
    Imagino a trabalheira que deve ter tido.
    O que muito me impressiona , é a cor do céu.Coisa mais linda.
    Beijinhos
    Glorinha

    ResponderEliminar
  3. boa noite amigo! ainda vou ver melhor as suas fotos e decrições,mas os meus filhos nasceram em paranhos na r.coronel almeida valente.o meu marido médico no hospital de s.joão,os filhos nasceram lá.batizados na igreja de paranhos!
    .ainda fomos para a areosa,onde vivemos pouco tempo ...voltamos com os filhos, ainda com idade pré –escolar para a arca ´ água onde fizeram primária,liceu e ainda quase se formaram...só depois viemos par aqui a, da frança mas eles só gostavam da zona de paranhos
    desculpe tou muito cansada,por isso escrevo sem maiúsculas e resumido.Só quiz contar a coincidência
    obrigada,até sempre e boa noite
    olga

    ResponderEliminar
  4. Caro amigo Jorge,
    Como sempre partilhastes mais um lindo roteiro de Portugal. Agradeço-te imenso pois vou conhecendo um pouco mais do meu País, da sua história. Adoraria ter a tua sensibilidadfe para estas coisas.
    Achei imensa graça ao faco de teres tocado no Joselito e Marcelino.Do primeiro lembro-me muito bem, já do Marcelino não tenho a mínima ideia. Lá pelos Açores também apareciam filmes da Marisol, cantora criança que a pequenada adorava. Isso só para te dizer que afinal temos várias coisas em comum.
    Um abraço muito amigo do
    José Câmara

    ResponderEliminar
  5. Amigo Jorge também tenho muitas lembranças, desses lugares minha tia morava no Amial, bém perto da estrada da Circunvalação ia muito nos finais de tarde no verão lá passear, tinha muito verde e era fresquinho.

    Quanto á Arca d'agua eu ia muito com meus avós nas festas que haviam por lá tôdos os anos, meu avó ia em tôdas as( senhoras e senhores) quer dizer festas e romarias que tivesse, senhor de matosinhos e etc.
    Eu gostava tanto que quando vou aí e é época lá vou eu nessas festas.
    Também pegava o elétrico na porta da casa de minha avó na rua Antero Quental e ia até o Amial na casa de minha tia Odete Mesquita
    o marido António Mesquita era o dono daquela fábrica que virou hotel na estrada que sobe para o Sameiro, era fábrica de bebida Pirulitos
    tinha uma quinta onde muito brinquei nas férias grandes.
    Sem o maçar mais me despeço agradecendo mais este conhecer o Porto.
    È amigo, para mim tudo isso é Porto e tudo é saudade doída muito doída, mas gosto muito de ver e ler estas suas explicaçôes aprendo muito o que é muito bom!
    Abraços Isabel

    ResponderEliminar
  6. Prezado Amigo,

    Muito obrigado por mais este passeio e pelas suas explicações. Também eu nasci em Massarelos, na Maternidade Júlio Dinis, mas vivi sempre em Cedofeita, perto da Igreja da Lapa, até sair de Portugal em 1968.

    Lembro-ma ainda de todas as ruas e praças que evocou e também de alguns edifícios: o Canil, o Quartel do Bom Pastor, a Arca d'Água, o Cineteatro Vale Formoso, onde também vi os filmes do Jeselito, quando era miúdo. Tinha amigos que moravam na Rua de São Dinis e na Rua 9 de Abril.

    Nos últimos 20 e tal anos, quando vou ao Porto, nunca voltei a andar por esses lados. Agora já não vou ao Porto há 3 anos. Espero ir lá este ano outra vez, com a minha mulher, que é holandesa, por altura do São João. Vou-me reformar no próximo dia 30 de abril e depois vou ter mais tempo para ir com maior frequência à nossa cidade.

    Um abraço de amizade,

    Augusto Pinto

    ResponderEliminar
  7. Amigo Jorge , foi com prazer que revi a minha antiga escola , a tal da caramila e que recordei alguns sitios que ainda guardo na memoria, continue assim o seu trabalho , que este fregues do Luxemburgo agradeçe imenso
    Um abraço

    JOAO VALE

    ResponderEliminar
  8. Caro Jorge: mais uma simpática e interessantíssima crônica tua. Pena que acabe em final infeliz, com a notícia de que a IURD se apropriou daquele belo local. Enfim, outras idades das trevas já passaram e acabaram, o que nos dá esperanças de que também essas trevas se diluam um dia.


    um abraço,


    Julio.

    ResponderEliminar
  9. Prezado Jorge Portojo,

    Antes de mais quero agradecer-lhe a referência que faz ao meu blogue, a respeito do Cine-Teatro Vale Formoso. Tanto quanto julgo saber, esta excelente sala de espetáculos já estava ocupada pela IURD antes de esta "igreja" ter tentado apoderar-se do Coliseu.

    De resto, muito antes do inesquecível espetáculo de Merce Cunningham e de John Cage, também eu já era frequentador habitual das matinées infantis do Vale Formoso, que eram aos sábados às 6 da tarde, salvo erro, e onde também assisti aos filmes do Joselito, da Marisol, do Marcelino Pão e Vinho, do Bucha e Estica, etc. etc.

    ResponderEliminar
  10. Boa noite Jorge! Super lindas essas fotos é a mistura do antigo com o moderno

    Te convido a visitar meu blog e fazer parte do meu grupo de amigos, sua presença e importante.
    Forte abraço do Osmar!

    ResponderEliminar
  11. Boa Tarde Sr. Jorge foi um acaso que passei por aqui e gostaria de lhe agradecer as lindas fotos que publicou eu nasci no Amial na rua Nova do Tronco e vivi 14 anos aí até ir para Angola.Agora vivo nos Açores na Ilha Terceira .Lembro-me muito bem do cinema vale formoso aonde vi muitos filmes e ao Domingo dava espectáculos com vários artistas, eu fui muito amiga e gostaria de saber noticias da Argentina que actuava no Vale Formoso nós fomos muito amigas e andamos na mesma escola na Aurélia de Sousa, ela é irmã da Maria de Fatima que tambem cantava lá se bem me recordo era o passarinho do festival. muito obrigado por estas fotos fêz-me recordar belos tempos.Um Abraço Ana Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ana Maria.
      Por casualidade hoje encontrei a irmã da Argentina, a Fátima. Ela já faleceu há uns anos.
      Desejo-lhe um bom domingo.

      Eliminar
  12. Cara amiga Ana Maria.
    Eu fui ao batismo da Maria de Fátima. Isto é, quando ela passou de Amadora a Profissonal, patrocinada pelo Fernando Gonçalves. Deve ter sido há uns 45/46 anos. Ela era amiga da minha madrinha de batismo, que a viu crescer. Nunca mais ouvir falar dela. Ainda há dias escrevi a seu respeito. Foi sim, apelidade O Passarinho do Festival. Sabia que ela tinha, ou tem, uma irmã. Mas não a conheci.
    Por acaso, a Ana Maria não viveu em Visconde de Setúbal e depois não se mudou para o Outeiro ?
    Uma grande amiga de infância desde o berço, digamos assim, chama-se Ana Maria Rocha, professora de profissão. Há muitos anos que não sei nada dela, embora vá contactando aqui e ali com a família. Quem sabe se não é uma coincidência...
    Obrigado pela sua visita.
    Jorge

    ResponderEliminar
  13. Sr. Jorge muito Boa Tarde
    muito obrigado por ter respondido, mesmo assim fiquei com alguma informação pode ser que um dia encontre a Argentina.Sobre a sua pergunta não eu nasci mesmo no Amial o meu pai trabalhava no café Amial e nós viviamos mesmo ao lado.Mais uma vez obrigado.Ana Maria Teixeira

    ResponderEliminar
  14. Bom dia
    O meu nome é João Campos e sou um curioso em relação aos relógios de sol, como faz referência a um relógio de sol na igreja de Paranhos, efectivamente ele existe mas não na localização que faz referência no seu artigo, mas sim na lateral direita da referida igreja no beiral do telhado perto do cunhal das traseiras.
    Espero ter ajudado com esta informação.

    P.S. Do meu conhecimento na cidade do Porto, existem mais duas igrejas com relógio de sol a Sé nos claustros e no cimo da torre esquerda da igreja de Nevolgilde.

    ResponderEliminar