Pesquisar

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

198 - Memórias das Minas de Vila Cova

É mais por causa das minhas memórias do que sobre as memórias das Minas de Vila Cova, no Marão. Ou talvez seja na Serra do Alvão. Entranhadas uma na outra as duas serras, não vale a pena discutir o pormenor que a minha ignorância, espero, seja desculpada.
Casa coisa a seu tempo.
 A poucos quilómetros da Aldeia de Vila Cova, freguesia do concelho de Vila Real, passa a  velhinha estrada nº 15 que liga o Porto a esta Cidade. 
  É uma aldeia igual pelas circunstâncias, a muitas do meu-nosso Portugal.
 Desertificada, terra de muita emigração, mas onde os velhos teimam em fazer os seus  campos e a tratar do seu gado.
Deveriam ser criadas em Portugal as Aldeias do Granito, como há as do Xisto. Vila Cova seria um dos itinerários.
 A par do granito, as casas dos emigrantes na paisagem da aldeia interior dão-lhe outra    vida.
 Vamos às Minas.
Entrada do túnel, visto agora. Ouvi num vídeo pela voz  de um antigo trabalhador,
que a profundidade chegou a ser tal que quase chegava à aldeia.
A mais de 70 metros.

Terá sido nos anos 50,  que alguém se lembrou ser a metalurgia importante para o País. Mas em grande escala. Poderiam ser ideias de pessoas ligadas ao regime de Salazar mas que combatiam pela inovação e produção.

O Túnel creio que em finais da década de 70 do século passado, 
quando as minas encerraram definitivamente. Foto encontrada na internet.

O época do Volfrâmio acabara, a do ouro há séculos e o Marão começou a ser explorado para a recolha do ferro. As magnetites do ferro. Assim nasceram as Minas de Vila Cova, SARL.
Antigas instalações: Escritórios, marcenaria, serração, enfermaria, cantina, posto de transformação eléctrica. 
 As Minas chegaram a  empregar mais de 700 pessoas.
Foto recolhida na net sem data e sem referência, do
complexo das Minas de Vila Cova.
 Nasceu a Siderurgia do Marão para tratar as magnetites do ferro extraídos de Vila Cova. Era  um anexo mineiro, que mais tarde (ou paralelamente, não sei) tratava as mgnetites de outras  minas espalhadas pelo Marão.
Pormenor das instalações da Siderurgia do Marão na Campeã, lugar fronteiro a Vila Cova.

 Portugal não se desenvolvia e a produção de gusa (ferro fundido primário) de Vila Cova  excedia  em muito o consumo nacional.
 Pormenores actualmente - acima e abaixo nas fotos - do local das 
antigas instalações da Siderurgia

Só duas nações tinham desenvolvido a electro-siderurgia: Itália e Noruega. Escolheu-se a norueguesa e norueguês era o forno Elkem e seus pertences.

 O excedente do consumo nacional era exportado, mas a preços baixíssimos. As minas e a  siderurgia entraram em rotura.
 Os fornos foram desligados e reabertos anos depois. A grande maioria da produção passou  a ser  termo-eléctrica e o sonho da termo-siderurgia acabou e os fornos encerraram de vez  nos finais da década de 70.
 Um sucateiro italo-brasileiro arrematou este e outros fornos em Portugal por valores  irrisórios e  segundo se supõem levou-os para a Venezuela.
 Nas encostas do Marão a estrada do ferro, passando junto da actual IP4 que um dia, não se  sabe  qual, fará parte da A4.
 Próximo corre também a N15. Um pormenor das 3 estradas nas proximidades  da  Estalagem  do Marão.
 Em cima um aspecto mais alargado da região e em baixo, a entrada de uma das minas no  Marão e  a estrada do ferro.
Chegados aqui, perguntar-se-ão os meus queridos leitores se ainda se lembrarem, porque comecei esta historieta referindo as minhas memórias onde elas estão. Pois aqui vão.

Há muitos anos, nos princípios da década de 60 do século passado, era eu um menino e trabalhava numa empresa da indústria gráfica - Litografia Artistas Reunidos, fui destacado para acompanhar o meu patrão, o senhor Armando Monteiro, pilotando o seu Studebaker de cor creme e castanha (não sei de que ano era o modelo nem interessa para o caso) para entregar nas Minas de Vila Cova SARL, uns calendários de fabrico luxuoso que nos haviam encomendado.
Eram em tons de sépia e creme com fotos de Minas e outras. Forrados com uma capa em papel vegetal e as folhas presas por espiral de arame cobreado. Não me perguntem mais nada, porque não me lembro.
Sei que fomos recebidos numa sala luxuosa de um casarão ceio que localizado na Rua António Patrício, e tanta o senhor engenheiro que nos recebeu, como o meu patrão, estavam vestidos com sobretudos que hoje presumo serem (terem sido) de pêlo de camelo.

O meu amigo Fernando Súcio atura-me e de que maneira. Faço-lhe perguntas - o seu Pai trabalhou nas minas - rebusco-lhe nas memórias e tento metê-las nas minhas. Sem ele nunca conheceria os locais nem saberia tantas histórias.

Pesquisei muitos sites mas todos vêm dar a este:
http://www3.dsi.uminho.pt/ebeira/setembro_05/docs/livro_final/20almeidaesousa.pdf
É um texto escrito pelo Engenheiro Almeida e Sousa que esteve ligado às Minas e à Siderurgia Portuguesa.
Lembro-me dele em artigos escritos no Jornal de Notícias. Presumo que ainda é vivo.

Foi mais um encontro com as minhas memórias.

8 comentários:

  1. Poucas vezes fui de Vila Real para Mondim, pela estrada da Campeã, porque a estrada era sinuosa, embora com belas paisagens e lembro-me perfeitamente das minas de Vila Cova, até porque em Cerva também haviam as minas e aquelas faziam-me lembrar as nossas.
    Obrigado Portojo por me lembrares os meus lados.
    Um abraço.
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar
  2. Caro Amigo
    É sempre com enorme prazer que leio os seus textos e/ou as suas fotografias legendadas com sentido histórico e, por vezes, com humor.
    Aqui, tive entrelaçado o seu texto- crónica com belíssimas fotografias do nosso Portugal tão pouco amado e tão pouco conhecido.
    Valha-nos S. Portojo que vai espalhando com o seu engenho e a sua arte as suas memórias para que celebremos o nosso País e não nos deixemos derrotar pelos feios, ....... e maus que são os políticos deste cantinho à beira mar plantado (pelo menos, a grande maioria).
    Um abraço da
    Mª Cândida

    ResponderEliminar
  3. Jorge
    Tú colaboras de forma muito especial com a divulgação das belezas do teu país.Poucos brasileiros e creio que também pessoas de outras nacionalidades, tem a oportunidade de conhecer os pormenores , os sítios e como não dizer, as memórias desta nação tão rica e tão grandiosa que é Portugal.
    E assim tu ofereces atravez dos teus trabalhos, tuas fotos, teus conhecimentos e também de tua capacidade e sabedoria, a oportunidade
    para as pessoas fazerem esta viagem fantástica .
    Agradeço-te mais uma vez pelo magnífico presente que nos oferta
    Um abraço com carinho

    Elci Teixeira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Elci, pelo comentário. Aliado ao prazer de aumentar os meus conhecimentos, é uma obrigação dar a conhecer a nossa Terra e as nossas Coisas.

      Eliminar
  4. Desconhecia completamente estas minas. Normalmente, quando se fala em minério de ferro, fala-se em Moncorvo e não em Vila Cova. Muito obrigado por esta lição. Sempre a aprender.

    O eng. Almeida e Sousa ainda está vivo e escreve sempre uma crónica na revista mensal "O Tripeiro", de que é diretor honorário. Apesar da sua idade, que já deve ser muito avançada, foi e continua a ser um homem dotado de uma ampla visão e de uma vasta cultura, não só técnica e científica, mas também literária. Homens como ele já não se fazem mais. É sempre com muito agrado que o leio. Quanto à revista "O Tripeiro", que é editada pela Associação Comercial do Porto e cuja leitura recomendo, está à venda nos quiosques e tabacarias da cidade e, tanto quanto sei, não tem qualquer página na Internet.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia amigo Fernando Ribeiro. Obrigado pela sua mensagem.

      Eliminar
  5. É sempre bom ver lugarejos de Vila Cova, pois é o meu berço.
    A foto referente às Minas de Vila Cova é de 1956,foi retirada do "Tripeiro, Série Nova - Ano IX nº 12 DEC1990 ", onde existe uma outra e tirada do mesmo ângulo, sendo esta de 1937 . Podendo-se assim ver a evolução das Minas de Vila Cova. Rendo aqui a minha homenagem ao Dr. Ângelo César o maior impulsionador do complexo Mineiro da Bacia da Campeã. Diria de todo o complexo mineiro (magnetite) de Trás-os-Montes, com a criação do forno.....

    ResponderEliminar