Pesquisar

segunda-feira, 29 de abril de 2013

157 - Campanhã, a Oriente da Cidade do Porto

Este passeio, melhor será dizer viagem de recordação ao passado, havia sido combinado já há uns tempos com o meu amigo Quintino Monteiro. Eu, freguês residente em Campanhã por pouco mais de 5 anos mas sempre muito ligado ao lugar. Ele, desde sempre ligado. Ambos agora moramos noutro lugar, que já pertenceu em tempos remotos a Campanhã.
Ao longo desta viagem, iremos percorrer a história e algumas estórias da vida da Freguesia e nossas também.
Mas teríamos de ir primeiro à sede da Junta pegar um autorização já combinada com o Senhor Óscar, septagenário (para evitar mal entendidos e me corrijam a falta de jeito para a escrita portuguesa, adianto-me e informo que também se pode escrever e falar septuagenário) que mesmo usando pace-maker está em grande forma. E a trabalhar firme, com o chamado amor à arte. Casualmente encontramos o Presidente Fernando Amaral, com quem trocamos algumas palavras e aproveitar para lembrar os tempos militares na Guiné.
  
A Praça e Jardim da Corujeira, onde está localizada a Junta, é um amplo espaço verde. Já foi Feira de Gado (que transitou de outros locais da Cidade) e de Moços, gente que era contratada para trabalhar na lavoura e que se movimentava de um lugar para outro. Desde os anos 20 do século passado, a Junta pedia um arranjo condigno do local, incluindo sanitários e um Jardim Infantil. A Feira, já não de gado, se bem me lembro, mas como mercado, acabou ainda na primeira metade dos anos 70. E o Jardim Infantil só foi construído em Maio de 1976, complementado com um Centro Social em 1985.

O Doutor Maurício Pinto nasceu em Arouca em 1924 e faleceu em 1975 num estúpido desastre de viação. Licenciado pela Faculdade de Medicina do Porto em 1950, começou a exercer clínica em Campanhã onde o seu consultório nunca esteve fechado. Especializou-se em Pneumotisiologia, deu assistência médica em vários locais, mas ficou no coração especialmente das gentes de Campanhã pelo seu altruísmo e valor médico. O Povo não o esqueceu e a 24 de Junho faz uma romagem ao seu túmulo. Foi-lhe atribuída a Medalha de Altruísmo,Ouro, pela Câmara Municipal. Além do singelo monumento, foi dado o seu nome a uma Rua, a antiga Rua de Vila Meã onde residiu.
  
Numa freguesia onde existiram e algumas ainda existem, oficinas gráficas e habitavam tantos trabalhadores dessa classe, foi-lhes feita uma homenagem abraçando todos os Gráficos do País. Eu incluído. Por alguma razão se chamou Artes Gráficas à hoje indústria.

Ponte 25 de Abril
A Corujeira é o centro da Freguesia e um nó radial de várias vias de comunicação. Bairro populoso e uma das maiores Freguesias do País, aparece referido como Lugar em 1675 e Aldeia em 1707. No entanto as suas origens são antiquíssimas. A Ponte 25 de Abril liga as Praças das Flores e a da Corujeira.

Uma panorâmica com recordações, feita em cima da Ponte. Em primeiro plano, termina (ou começa, não sei) a Rua do Godim, local conhecido pela Resineira e onde esteve instalada uma Fábrica da Resina, destruída por um violento incêndio. Fazia-se aqui a passagem de nível ferroviário, com guarda e barreira e do outro lado eram armazéns vários e o complexo desportivo dos Ferroviários ou o Campo de Vila Meã. Acabava aqui a Rua com o mesmo nome e como já referi, agora chama-se Doutor Maurício Pinto. Ao fundo é a estação de Campanhã e o Colégio ou Seminário dos Meninos Desamparados.
  
Imagem de uma parte de Campanhã obtida a partir dos terrenos do Estádio do Dragão.

Atravessando o passadiço aéreo, vemos o que resta da antiga Quinta de Vila Meã. Cujos últimos proprietários foram os familiares do meu amigo Quintino Monteiro. Agora é da Câmara Municipal e o uso-fruto, digamos assim, da Junta de Campanhã. 

A Quinta essencialmente agrícola, tem origem antiquíssima e aparece num primeiro foral de 1473 referindo João Vaz Lordelo Vieira Antunes.
Capela e Casa Nobre
A propriedade era extensa e a família tinha várias outras, diria mesmo que metade da actual freguesia lhe pertencia. O lugar de Vila Meã em 1758 tinha sete vizinhos ou fogos.
Entretanto, matrimonialmente ligam-se aos Araújos, dando inicio ao ramo familiar dos Cunha Araújo.
Um pequeno desvio na história da Quinta para assinalar que uma Associação ligada a Movimentos da Terra pretende dinamizar a quinta. De todas as fotos dinamizadoras colocadas no seu site, o que se vê no terreno, para um leigo, é quási nada. Mas queremos ver singrar a boa gente e que transformem esta lixeira e a degradação em coisa boa. Ver http://terrasolta.org/2012/10/amts-na-quinta-do-mitra/
Regressando, vemos o estado de uma fonte tendo inscrito o ano 1710 mas desconhecendo-se a razão desta marca.  
A fachada da Capela, dedicada a Nossa Senhora dos Anjos, apresenta pormenores que são considerados de muito interesse arquitectónico. Se um dia for recuperada, vai receber o primitivo sino, bem guardado neste momento. Não vá desaparecer.  
Numa perspectiva de mais ou menos 360 graus, fotos acima e abaixo, podemos imaginar o que foram os terrenos desta quinta em 1864. Muitos deles ocupados pela via férrea.  
Em 1866 a quinta, ou o que restava dela, foi vendida ao Comendador José Joaquim Pereira de Lima,  Director da Companhia Agrícola e Comercial dos Vinhos do Porto / Casa Ferreirinha. Na década de 1920, os herdeiros vendem-na a um casal, cuja senhora natural do lugar tem o apelido Mitra. São os avós do meu amigo Quintino. A partir daquela venda a Quinta passa a ser mais conhecida como da Mitra.
Nos anos 60 do século passado, a Câmara Municipal adquiriu o que restava por cerca de 5.000 contos, correspondente hoje em dia a 25.000 euros. Com excepção das ruínas da Casa e Capela e de um ainda apreciável espaço a monte (e aquele pouquinho que o tal grupo Movimento da Terra Solta está a mexer), o restante é um emaranhado de vias rodoviárias.  
A família ofertou um Chafariz da Quinta à Câmara Municipal que o colocou nos Jardins do Palácio de Cristal, sinalizado como Chafariz que se encontrava na Quinta da Mitra.

A Quinta chegava e o que resta dela ainda chega a Bonjoia ficando quási colada à Quinta do mesmo nome, ou o que também lhe resta. Bonjoia ou como foi referida Benjoia ou Benjoi é um topónimo antigo desconhecendo-se a sua origem.

Lugar este que lhe tem uma lenda associada, anteriormente descrita noutra postagem, mas sem estas imagens. Não faz mal relembrá-la. Em honra de Nossa Senhora de Campanhã, padroeira da Freguesia, a quem várias lendas lhe estão associadas, (uma dos quais é que não poderia ser mostrada na sua Igreja, pois a quem a via algum mal lhe acontecia ou algum bem lhe viria), saiu uma Procissão no ano de 1722, de grande seca. A imagem caiu do andor e no local da queda brotou água. Construiu o Povo uma Fonte que ainda existe.
Uma imagem que recolhi nas Memórias Paroquiais de Campanhã.
A fonte, quási invisível, está por baixo dos arbustos.
Em relação aos dias de hoje a diferença está no tanque da fonte que era rebaixado no caminho. Antes de conhecer a foto antiga, o meu amigo Quintino Monteiro já me havia alertado para esse pormenor. Começava aqui, digamos assim, a Quinta de Bonjoia.
O muro foi mais ou menos preservado, mas o portão que se vê na foto antiga, uma entrada da Quinta de Bonjoia, já não existe, bem como parte desse terreno. Construiu-se aí um lavadouro público, transferido, digamos assim, do local antigo, que era junto aos terrenos da Quinta de Vila Meã.
O muro era encimado por um aqueduto que levava água vinda de uma mina nas cercanias da actual Estação de Campanhã até à Quinta. Todo esse simbolismo está preservado, mesmo passando-lhe por cima uma auto-estrada. Aqui está um exemplo de como se pode unir progresso e história. Pessoalmente dou muito valor a isso.
Quási em frente, memorizaram as gentes Campanianas o milagre da Senhora,construindo uma Capela em 1967 de devoção à Senhora da Fonte. Um cruzeiro lembra também o acontecimento.
Tudo isto nos terrenos da Quinta de Vila Meã ou da Mitra que aqui termina na sua zona sul. E onde esteve o primitivo lavadouro público.
A imagem de Nossa Senhora da Fonte, na Capela.

Vamos entrar na Quinta de Bonjoia pelo Sul. Um espaço e casa que estiveram totalmente degradados até a Câmara Municipal os adquirir em 1995. Estão recuperados e uma Fundação (para e por quê ?) ligada à Câmara com o nome de Fundação para o Desenvolvimento da Freguesia de Campanhã existe neles, com um qualquer serviço. 
Melhor não tentar perceber o que nos rodeia, muita gente por ali a conversar nos anexos entretanto construídos, belo parque automóvel, simpatia também. Mas o interior do Palacete está fechado com excepção da sala da entrada, onde está exposta uma maqueta e informações pregadas em cavaletes. E há uma telefonista.
Adiante com a história.
Um pormenor do Jardim da parte superior correspondente à entrada principal.
Só por curiosidade demonstro que nunca podemos confiar nas informações históricas. Coisa simples e sem importância vista à distância de 600 anos.
O primeiro proprietário conhecido da Quinta foi Afonso Dinis que a doou ao Cabido da Sé em 31 de Dezembro de 1402. Noutro local leio, pertenceu ao Chantre Martins Viegas em finais do séc. XIV. Em ambas as leituras a data da doação é a mesma e à mesma entidade que a emprazou posteriormente.. Coisas da história ou de quem a escreve que nos deixam sem entender.
Não entendo nada de Cabidos, Mitras, Cónegos, Chantres, mas acho que cheira tudo ao mesmo, isto é, ligação com a Igreja. Mas vamos dar a volta, esquecer nomes e donos e emprazos durante uns séculos e chegar ao principal que mais nos interessa agora.
Em 1758, aparece como senhor pacífico proprietário, D. Lourenço de Amorim da Gama Lobo, fidalgo de Ponte de Lima e prior da Venerável Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, que resolve edificar um grandioso palácio.
A acta do documento da escritura da obrigação entre artes é de 21 de Março de 1759, onde não constam nomes. Mas tudo leva a crer, por obras anteriores, que a autoria do projecto é de Nicolau Nasoni, provavelmente a sua última obra residencial, a quem o Porto e muito do Norte de Portugal, arquitectónicamente, muito ficaram a dever.
O realce de uma obra notável vai para o majestoso paredão de quási 100 metros de comprimento por 6 de altura, a meio do qual se abre uma formosa escadaria. Estas são as palavras da história, verdadeiras sem dúvidas porque na realidade deslumbramo-nos durante um passeio pela mata em vários níveis de altitude onde existem espécies florestais antigas e raras; ao sentir o cheiro dos citrinos que lembram os antigos pomares; olhar os vários jardins onde as camélias são rainhas; e de qualquer ângulo deixar o olhar correr pelo que nos rodeia e imaginar como seriam as vistas sobre o fértil Vale de Campanhã e o Rio Douro. Palavras minhas.
Havia uma capela dedicada a Nossa Senhora do Rosário, desmantelada, mas não sei mais pormenores.

Curiosamente, o Palacete nunca foi acabado. Do lado esquerdo de quem entra a porta principal existem junto ao corpo do edifício, as ruínas, devidamente preservadas, do que foi construído e inacabado.  

Voltando aos donos da Quinta, aquele fidalgo, o Lobo, morre e deixa-a ao filho António que sem descentes directos, após a sua morte no primeiro quartel do séc. XIX, os bens vinculares passam para uma irmã e os vinculados para a viúva, que os lega a uma sobrinha, casada com um Brandão de Melo, da Casa da Torre da Marca ( Palácio de Terenas ou Mafalim e Torre de Pedro Sem, em frente ao Palácio de Cristal, mas não vem agora para o caso as origens do nome, da nacionalidade, enfim, tudo o que corresponde a esta casa e ramos familiares que vem desde o tempo da Rainha D. Isabel, a Santa, esposa de D. Dinis). Em 1894 a pertença da propriedade é do Conselheiro José Guedes Brandão de Melo.
Após a morte deste, três filhos herdeiros tomam posse da propriedade como determina uma escritura lavrada em 27 de Junho de 1921. Posteriormente a irmã D. Maria José Mimoso Brandão de Melo compra aos dois irmãos as suas partes e vende-a em 1935 ao Juiz Abílio Augusto Mendes de Carvalho, descrita como composta de casa nobre com jardim, pomar, casas de lavoura, terras de lavradio, bouça e bravio e mais pertenças, tudo com a área aproximada de 34.320 m2. Passa a ser conhecida também como a Quinta do Juíz.
Entrada principal da Quinta de Bonjoia vista na posição de saída para a Rua de Bonjoia 
Em 1995 os herdeiros do Juiz vendem a propriedade totalmente em ruínas à Câmara Municipal. Segundo se lê nas Memórias Paroquiais de Campanhã e relatado pela última residente, D. Maria Mimoso Mendes de Carvalho Mesquita, que presumo ter sido filha do Juíz, aqui se realizaram festas sumptuosas, passeios a cavalo, partidas de golfe, etc.Imagino aquela vida...contada com muita saudade, não sei em que ano.
Afonso Costa esteve refugiado na Quinta durante algum tempo, na altura das agitações após a implantação da República.
Às Quintas-Feiras e desde 2003, a partir das 21 Horas, a Câmara Municipal organiza serões temáticos com entrada livre.

Seminário-Colégio dos Meninos Desamparados
Regressados de Bonjoia, passando pelo velhinho campo Mário Navega actualmente utilizado pelo Desportivo de Portugal, entramos no Pinheiro de Campanhã. Local vasto, muito confuso sobre as suas origens, antiga Quinta-Casal talvez, incluindo Miraflores e Noeda, onde existiu um castro, mas isso são para outras histórias sobre a minha Cidade do Porto, se as descobrir. A única certeza é que existiu uma estação ferroviária da linha da Alfândega, ligava a Contumil e posteriormente a Ermesinde. Depois a ferrovia foi até Leixões. Outros tempos até bem próximos e outras histórias. E uma linha desaparecida que poderia ser aproveitada para fins turísticos. Não sei se ainda existe uma Associação que propunha  revitalizar esta linha.   
Também será para outra ocasião olhar mais de perto o Seminário-Colégio dos Meninos Desamparados - Centro Juvenil de Campanhã, instituição que tem origem no desastre da Ponte das Barcas aquando das invasões francesas, em 1809. É o Padre José de Oliveira que inicia o apoio aos órfãos que passaram por vários locais até se fixarem aqui, no Pinheiro de Campanhã em 1863.
Prometo voltar.
Um vista final sobre uma parte do Vale de Campanhã, a partir do Colégio.
Ao fundo já é Gondomar e o seu Monte Crasto

Finalmente o Freixo com o Rio Douro em fundo e um pormenor da Ponte (do Freixo).

Para finalizar uma panorâmica do caminho percorrido.
Dedico esta postagem ao meu amigo Quintino Monteiro. Sem ele não saberia tanta história de Campanhã

18 comentários:

  1. Amigo querido! Portugual é Belissimo , me encantei com sua cidade natal , Parabéns por este trabalho belo,Beijos com carinho!

    ResponderEliminar
  2. Trabalho magnifico.....Entristece ver tanta história abafada pelo progresso.
    Não deixa de estar com outra beleza, porque o lugar é sempre belo..

    ResponderEliminar
  3. Olá Jorge.

    A quinta de Bonjoia é local de trabalho, ou era, da sobrinha.
    Pergunta-lhe o que não sabes e queres saber, talvez ela te elucide.

    Beijos e abraços e saudades,

    To Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tó, pois se é ninguém a conhece. Já fui à Junta perguntar por ela. E na Quinta por duas vezes lá estive e não a vi. Embora tivesse visto muita gente...
      Quando te dispões a aparecer ?
      Um abraço

      Eliminar
  4. Que gostosura de cidade!!!!!
    Beijosssssssssss

    ResponderEliminar
  5. Olá boa tarde,
    antes de mais os meus parabéns por um blogue tão interessante (nos textos e nas fotografias)!
    Em relação a este post, lembrou um local onde morei pequenina (com cerca de 1 ano): a Resineira. O meu avô foi gerente da Resineira e morava numa casa dentro dos terrenos. Ainda tenho recordações de lá ir já mais crescidinha e das muitas fotografias que a minha mãe tem. (E começaria ali a rua, uma vez que a morada era Rua do Godim, 1!)
    Cumprimentos, M Regueiras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa Tarde amiga. Obrigado pela sua participação.

      Eliminar
  6. Trabalho que me deixou encantada com a historia do lugar,quanta coisa linda guarda esta cidade,uma pena que ja estive ai tantas vezes,e tem lugares tao lindo e que me deixa muita vontade de ir visitar,quem sabe da proxima vez,embora ja posso dizer que conheco o lugar,porque a tua pesquisa e bem detalhada e so nos enriquece os conhecimentos passados e postados atraves de tua pessoa,te parabenizo Jorge.Me imagino ja neste lugar,obrigada.
    Deixo meu abraco carinhoso e tb uma boa noite.

    ResponderEliminar
  7. Bom trabalho
    A freguesia onde nasci e vivi a minha juventude
    Parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Afonso. Tens mais duas Postagens sobre a freguesia. Mas prometo mais. Um abraço

      Eliminar
  8. Estive internado neste Seminário 2 anos em 1965 e tinha motivos fortes para ter traumas, mas graças a Deus estou aqui sano.

    ResponderEliminar
  9. Olá boa tarde,
    Os meus parabéns pelo blog, e um contributo; O Conde de Ferreira nasceu em Campanhã numa quinta que era já dos respectivos avós, pelo menos, nos registos está "Lugar de Vila Meã", "Qtª de Vila Meã", etc. No início de 1990's surgiu em vários jornais o desvio da VCI para preservar a casa da quinta - casa essa que aparece na imagem do jornal, casa comprida com varanda corrida e lojas no piso inferior, fazem referencia ao salão cujo tecto tem uma pintura a óleo representando os 5 continentes (também surge no jornal), também referem a existência de um lagar monolítico, dos poucos ainda preservados. Agora coloco uma questão; essa quinta situa-se onde precisamente? Julgo que não seja a casa que surge no post acima sobre a "Quinta de Vila Meã" pois os apelidos de família são diferentes (embora no livro "Conde Ferreira & Cª" refiram a tal quinta da Mitra como sendo a "tal" da família do conde. Um abraço e obrigado :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Marcus,
      Boa tarde.
      Segundo entendo na biografia do Conde de Ferreira, ele nasceu no que é hoje o Lugar de Azevedo de Campanhã, para leste da Quinta da Mitra.
      Mas inicialmente, Vila Meã abrangia uma área muito grande.
      Quando os avós do meu amigo Quintino Monteiro compraram o que sobrava de uma área enorme, mais ou menos por altura da morte do Conde de Ferreira, o vendedor parece que já não teria a ver nada com a família deste.
      Mas só lendo a gineologia e a história das Quintas. Na Monografia de Campanha (http://www.j-f.org/monografia/) pode haver alguma referência.
      Só uma informação: A Quinta de Vila Meã ficou a ser conhecida como Quinta da Mitra só após da compra pelos avós do meu amigo e recebeu este nome por causa do apelido da senhora.
      Um abraço

      Eliminar
  10. Caro Jorge,
    Boa tarde
    Muito obrigado pela informação, farei uma digitalização dos tais jornais que falo e enviou-lhos, embora bastante velhos, pode ser que seja interessante.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo
      Será um prazer recebê-los.
      O meu email é
      portojo@gmail.com
      Um abraço

      Eliminar
    2. Caro Sr. Marcus Penedos,

      Boa tarde. Chamo-me João Meira, sou estudante na Faculdade de Arquitectura da U.Porto e estou, neste momento, a desenvolver a minha tese de mestrado. Para tal, e tendo em consideração que o objecto de estudo é a quinta e lugar de Vila Meã, interessa-me toda a informação que possa existir e que me ajude no seu estudo.

      Relativamente a estes jornais de que falou, dirigindo-se ao Sr. Jorge Portojo - seria possível dar-me conhecimento de que jornais se tratam, bem como das datas das respectivas publicações?

      Obrigado,

      João Pedro Meira

      Eliminar