Pesquisar

sábado, 30 de julho de 2011

88 - As Tripas à Moda do Porto

É um prato tipicamente portuense e teve origem na História dos Descobrimentos iniciada no séc. XV e com a viagem a Ceuta. Para abastecer as naus de carne, o Porto cidade ofertou toda a que tinha ficando apenas com as vísceras, normalmente conhecidas como tripas. Daí também a nossa alcunha de Tripeiros. Hoje, este prato estende-se a todos os restaurantes e tascas do Grande Porto.
No Jardim do Calém, em Sobreiras, ao Fluvial, há desde os anos 60 do século passado, as memórias deste facto histórico
A escultura mostra o Açougueiro desmanchando o animal. 
Às tripas foram-se adicionando ao longo dos séculos outros complementos culinários. Creio que deve ter sido o feijão branco manteiga o primeiro a ser junto. (imagem no Restaurante Choupal dos Melros em Fanzeres) 
As tripas são formadas por folhos, favos e touca. Antigamente eram lavadas durante bastante tempo com escovas de arame para retirar a "merda" que ainda trouxessem agarradas. Hoje já vêm lavadas e o Brasil também é nosso fornecedor desta iguaria, embora pessoalmente não goste delas pois são muito duras e de difícil cozedura. O sabor também não é igual. Mas ainda não dispensam uma boa lavagem e o demolho em limão de um dia para o outro. (Imagem no Vigário da Aboinha)
Curiosamente, o tripeiro de gema, gosta do prato mais pelo feijão do que pelas carnes. Talvez porque fica impregnado com o sabor delas. E o molho tem de ser espesso. E como é bom molhar nele um pouco de pão. (imagem no Pedro dos Frangos, uma das mais bem apaladas Tripas que conheço.
Há uns anos percorria a cidade para comer Tripas. Às Quintas-feiras e também ao fim de semana, todos os restaurantes faziam as suas Tripas. Fosse verão ou inverno. Das tascas mais simples aos melhores restaurantes a concorrência pelas melhores Tripas era enorme. A Flor dos Congregados, Quim, Viseu, Viúva, Onix, Ginjal, Ramos, Abadia, Tripeiro, Ribeiro, Mamas Gordas (na Areosa), Mamuda, e tantos outros que não me ocorrem. (na imagem, Tripas à minha moda).
Concorre este prato às 7 Maravilhas Gastronómicas de Portugal. Se quiser votar o link está abaixo.
Ocorreu hoje em Gaia um almoço de promoção com mais de 1500 pessoas. Cuja receita reverteu para uma instituição (ou várias, não sei) de solidariedade. Lamentavelmente - o que não é de estranhar - a Câmara do Porto, logo o seu presidente Rui Rio, não está nem incluída na comissão da promoção nem esteve presente nem se fez representar. Assim se vê um Presidente, que de portuense deve ter muito pouco. Só os automóveis lhe interessam que nada ou muito pouco dizem à Cidade.
Mas disse e muito bem o Vice-Presidente da Câmara de Gaia, nenhum Rio nos consegue dividir. E como afirmou Rosa Mota, são as Tripas que nos unem.
Aqui vai o link. É só clicar, deixar abrir e votar.
http://www.7maravilhas.sapo.pt/votacao/#votaForm


Bom apetite.



9 comentários:

  1. Quem me dera comer um pratito de tripas à moda do Porto.... Há anos que não as como!!!!
    Abraço
    Santos - Faro

    ResponderEliminar
  2. Caro Jorge, essa iguaria há de ser a mãe de um dos pratos mais conhecidos no Brasil: a dobradinha. E a bem da verdade, mãe e filha são mesmo muito parecidas. Minha mulher há de ser fartar disso ai no Porto, em uns 40 ou 45 dias mais. De minha parte, confesso que tripas, ou miúdos, como dizemos aqui, não me encantam. Fico com o velho e bom bacalhau, ou com as minhas amadas alheiras.


    Um abraço,


    Julio.

    ResponderEliminar
  3. Um Prato delicioso,parece dobradinha ,mais nao e igual,ja comi e gostei muito ,se nao me engano e tudo de porco e a dobradinho Julio e bovina.
    Miais e um prtato de muito bom gosto,hummmm.
    Abracos!!!

    ResponderEliminar
  4. Cara "anónima", mas que erros para quem é mestra de culinária. "Mais" não é porco. E Julio o que é ???? ou quem é ????
    Jorge Portojo

    ResponderEliminar
  5. Pode ter um lindo visual de dar água na boca mas eu não como tripa ehehehehehehe
    Beijocassssssssssssss
    Gisele

    ResponderEliminar
  6. Jorge

    As tripas á Moda do Porto são o testemunho vivo da generosidade das nossas gentes que deram o melhor e sobreviveram (inventivamente) com o que era rejeitado habitualmente.

    Abraços
    Santos Oliveira

    ResponderEliminar
  7. Caro Jorge, nem temos como agradecer pela indicação d`"O escondidinho". Pode-se achar bons hotéis e fazer bons roteiros à distância, mas uma dica de quem vive e conhece o lugar, o vê pelo lado de dentro, é diferente. Nossa secretária fez reservas em algum hotel, mas na segunda-feira logo cedo verei se é possível cancelar, e neste caso lhe aviso, ou melhor, de uma vez já reservamos n`"O escondidinho".


    E esteja certo de que não se livra do meu abraço.


    Do teu amigo


    Julio.

    ResponderEliminar
  8. Caro Jorge

    Um dia ainda vou à sua cidade e vou comer este prato, que não sabia ser dai. No Brasil chama-se Bucho ou Dobradinha. Já se come muito pouco, porque o cheiro não é muito agradável ao cozinhar-mos o bucho, então nossos filhos não querem comer. Mas aqui também fazemos com feijão branco, linguiça defumada, costelinha de porco, etc.

    Um grande abraço

    Suzete

    ResponderEliminar
  9. Comi uma unics vez e não gostei. Talvez não tenha sido no sitio certo. Fiquei agora desejoso de experimentar noutra casa.
    Um abraço Jorge
    Carlos Castelo Branco

    ResponderEliminar