Pesquisar

quinta-feira, 17 de março de 2011

66 - Alves Barbosa, Ribeiro da Silva e o Ciclismo

Para entender um pouco melhor esta postagem, será preciso recuar à minha 63 - O Estádio do Lima e ao parágrafo referente ao ciclismo.
Pois o meu amigo Vasco da Gama, que não capina sentado, resolveu ofertar-me com as fotos e o texto que reproduzo, com a devida vénia e autorização.

Estive com o Alves Barbosa em casa dele, está a viver em Montemor-O-Velho, onde lhe deixei as tuas duas últimas reportagens, bem como o mail em que me falas dele. Senti que gostou do que leu e conversámos quase toda a tarde sobre muitos e variados assuntos.Vou anexar-te umas fotos que lhe tirei, bem como a da bicicleta com que correu a volta à França onde fez o 10º lugar e um artigo respeitante à famigerada volta .
(Nota minha: Volta a Portugal de 1955)
A última etapa dessa volta partiu de Viseu com términus no Porto e tudo decorria normalmente quando o Sousa Santos, que ia a mais de dois minutos do Tó, lhe pediu para que o deixasse ganhar um prémio patrocinado pela Oliva e cuja meta estava instalada em S. João da Madeira. Julga o Tó que o Sousa Santos era dali perto de uma terra chamada S. João de Vêr. Obtida a "autorização", o Sousa Santos escapuliu-se por ali fora passou a meta volante como uma flecha e o seu entusiasmo levou-o a que não parasse mais. A perseguição iniciou-se de imediato tendo o Tó vindo para a frente a puxar pelo pelotão, quando começaram a surgir os insultos e arremessos de coisas várias, cuspidelas etc. Ameaçou desistir e como nada fizessem, veio para a berma com o braço levantado, sinal de que queria falar com o director da corrida. Este sinal foi-lhe fatal, pois agarraram-lhe o braço, atiraram-no ao chão e a pancadaria generalizou-se. Roubaram-lhe a roda da frente da bicicleta que nunca mais apareceu e teve de ser substituída. Foi escoltado pela polícia para terminar a etapa que foi ganha pelo Pedro Polainas. Penso que se o Barbosa envergasse a camisola do Porto, do Benfica ou do Sporting e não a do Sangalhos, a etapa teria sido anulada, mas tal como hoje e em todos os aspectos da vida, os grandes são sempre os mais beneficiados. O Ribeiro da Silva tinha efectivamente assinado pelo Benfica e o Tó assinou ou ia assinar pelo Sporting para que a rivalidade entre os dois grandes de Lisboa atingisse o interesse dos duelos entre o Trindade e o Nicolau. Logo após a morte do Ribeiro da Silva, o Sporting roeu a corda e deu o dito pelo não dito. Vou ver se consigo enviar as fotografias ( sete ) e peço-te especial atenção para o ar contristado do Ribeiro da Silva que me parece de uma sinceridade absoluta, tentando consolar o "vencido".

Um grande abraço e até um dia destes,
Vasco da Gama






O Sr. Alves Barbosa
Vasco da Gama e Alves Barbosa
Camarigo Vasco, agradeço-te esta espontânea colaboração e daqui te peço que transmitas ao Sr. Alves Barbosa igualmente o meu agradecimento por enriquecer este despretensioso álbum de memórias com as fotos e as palavras que dele registaste.
Do Ribeiro da Silva, fica-nos a memória como exemplo de desportista, aquele abraço ao Tó registado para sempre naquele jornal.

4 comentários:

  1. Já conhecia a estória, mas não entendo a parte de "se o Alves Barbosa pertencesse ao Benfica ou ao Sporting ou ao Porto a etapa teria sido anulada!!!" É que o Sousa Santos era do Porto e foi ele o benificiado e o Clube a que pertençia. Que tinha o Benfica e o Sporting a ver com o assunto?
    Um abraço
    Jose Manuel

    ResponderEliminar
  2. O vencedor da volta foi o Ribeiro da Silva do Académico e não o Sousa Santos do Porto.

    O Tó, que mais tarde foi treinador do Benfica, pertencia a um clube sem qualquer "poder"o Sangalhos que só existia por carolice de meia dúzia de famílias da zona da Bairrada, alicerçado na sorte que teve de encontrar um campeão como o foi o Alves Barbosa.

    O que eu disse no texto que escrevinhei para o Jorge, repito-o, convencido que estou de que se o lesado António Barbosa, não chamo à colação o vencedor da volta, pertencesse a um dos três clubes Benfica, Porto ou Sporting qualquer deles teria força suficiente para junto do poder "ciclístico" anular a etapa e atribuir a vitória da volta a quem dela foi espoliado de forma indigna.

    Não trago á praça nem quero beliscar o clubismo de quem quer que seja, mas não posso ser tão ingénuo e acreditar na pureza, na virgindade e na inocência dos dirigentes dos clubes, independentemente da cor das suas camisolas, pois a esmagadora maioria quer ganhar, ganhar, ganhar....

    Um abraço para ambos



    Vasco da Gama

    ResponderEliminar
  3. Jorge

    Desculpa-me a ignorância que me inibe comentar assunto tão específico.

    Mas, gostei do Vasco, assim tão "trunfado", fazendo par com o Alves Barbosa.

    Afinal ter, ou não, muito cabelo nem sempre atesta toda a juventude.

    Jorge, Vasco e Alves Barbosa,
    o meu abraço
    Santos Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Fiquei contente de ainda se lembrarem do meu 2º primo Ribeiro da Silva, recordo com saudade, sobre tudo, as voltas que dava na bicicleta dele, quando ele ia a Sobrão ao barbeiro para rapar as pernas, recordo-me da morte dele , pois andava na bicicleta quando ele morreu,tinha ido ter com a namorada de moto e bateu contra a traseira de um camião, no lugar de sabrosa ...

    ResponderEliminar